13 maio 2012 - 18h14

Nos pênaltis, Furacão é derrotado

Na decisão do Campeonato Paranaense, o Atlético começou bem o jogo, mas não conseguiu o gol. Empate de 0 a 0 levou a decisão para as penalidades, onde rival foi mais feliz.

O jogo

O Furacão entrou em campo com uma escalação diferente da que a torcida imaginava. O volante Cleberson foi mantido na lateral-direita, já que Gabriel Marques foi vetado para a partida. Na lateral-esquerda, Héracles foi barrado e deu lugar para Renan Rodrigues. Bruno Costa foi deslocado para o lado do campo e Foguinho compôs a zaga.

No meio de campo, a escalação que deu certo contra o Cruzeiro foi mantida,com exceção do uruguaio Ligüera, que foi substituído por Paulo Baier. No ataque, Edigar Junio foi o escolhido para atuar ao lado de Guerrón.

Com a bola rolando, as duas equipes começaram se estudando. O primeiro ataque do Furacão ocorreu aos dois minutos, mas Guerrón chutou sem perigo, para fora. Aos oito minutos, após boa troca de passes, Deivid chegou na linha de fundo, mas cruzou nas mãos de Vanderlei.

Aos 12 minutos, após cobrança de escanteio, Lucas Mendes se antecipou e cabeceou. Rodolfo defendeu com segurança. Três minutos mais tarde, Edigar cruzou, mas novamente Vanderlei foi feliz no lance e não deixou a bola chegar até Guerrón.

Aos 17 minutos, Lucas Mendes subiu livre, mas Renan Rodrigues conseguiu desviar o que seria o gol do Coritiba. A partida perdeu um pouco em emoção e somente aos 28 minutos teve lance de perigo. Roberto cruzou, mas Rodolfo saiu bem da meta.

A partida seguiu disputada no meio de campo, mas sem grandes emoções. Bem postado, o Atlético tinha a posse de bola, mas não atacava com qualidade. Aos 39 minutos Guerrón entortou Lucas Mendes, mas não cruzou com qualidade. Um minuto mais tarde, o equatoriano finalizou de fora da área, mas o goleiro Alviverde defendeu com tranquilidade. Na sequência Héracles arriscou de fora, mas sem pontaria.
A primeira etapa terminou empatada, sem gols, mas com o Atlético deixando uma boa impressão para sua torcida.

Furacão não soprou na segunda etapa

O Furacão voltou para o segundo tempo com uma mudança. Alan Bahia entrou no lugar de Renan Teixeira. O objetivo da troca era melhorar a saída de bola rubro-negra.

O jogo começou truncado, mas a marcação do Furacão dava um pouco mais de espaços que na primeira etapa. Com o desenrolar da partida, o Atlético ficou encurralado em sua defesa. Aos 15 minutos Rafinha chutou de fora, mas Rodolfo defendeu sem muitos problemas. Um minuto mais tarde, Éverton Ribeiro arriscou de longe, mas sem acertar o gol.

O Rubro-Negro ficava plantado em seu campo defensivo, quase sem assustar o Coritiba. Aos 29 minutos, Everton Costa cabeceou e Rodolfo fez um milagre, mas o bandeira já havia parado o lance. Dois minutos mais tarde, Éverton Ribeiro bateu de fora, mas sem acertar o gol.

Aos 38 minutos, no primeiro arremate a gol do Atlético, Alan Bahia cobrou falta para fora. Seis minutos mais tarde Edigar Junio bateu de fora, mas sem perigo.

A partida terminou empatada sem gols e a decisão foi para os pênaltis.

Penalidades

Pelo Furacão foram escalados Alan Bahia, Deivid, Zezinho, Guerrón e Ligüera para decidirem a competição. Do lado adversário Lincoln, Roberto, Júnior Urso, Everton Costa e Éverton Ribeiro.

Alan Bahia bateu a primeira cobrança, Vanderlei defendeu, mas a bola subiu e entrou.Do lado verde Lincoln bateu e deixou tudo igual. Deivid bateu o segundo e não decepcionou. Roberto também bateu e não deu chances para Rodolfo.

Zezinho acertou a terceira cobrança. Júnior Urso bate e Rodolfo tocou na bola, mas não conseguiu evitar o gol. Na quarta cobrança Guerrón bateu mal e Vanderlei defendeu com os pés. Everton Costa colocou o rival em vantagem.

Ligüera bateu e manteve chances para o Furacão na disputa. Éverton Ribeiro, a bola foi na trave e entrou, dando o título para o rival.

O Atlético volta a campo na próxima quarta-feira, às 19h30, na Vila Capanema. O adversário será o Palmeiras, pela Copa do Brasil.

%ficha=907%



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Time voando baixo

Foi um “Passeio”, o time comandado por Eduardo Barros, deu aula… Os meninos Christian e Erick, comando meio de campo, Wellington o “maestro” regendo a…

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…