21 set 2012 - 18h42

"Estou reaprendendo a viver", diz Rodolfo

Suspenso por dois anos após ser pego no exame antidoping por uso de cocaína, o goleiro Rodolfo concedeu entrevista ao site Justiça Desportiva, na qual comenta sobre como está lidando com a recuperação e também sua expectativa para voltar ao futebol. Atualmente, o arqueiro encontra-se em tratamento em uma clínica de reabilitação, com o apoio total do clube, em busca de sua recuperação.

Confira abaixo a entrevista de Rodolfo ao site Justiça Desportiva:

Site JD: Antes de entrar no futebol profissional, você chegou a sonhar em trabalhar ou fazer outra coisa que não fosse jogar bola?
Rodolfo: Na verdade, não. Sempre sonhei com futebol desde pequeno. Comecei cedo e venho batalhando para isso. Tenho dois filhos, sou casado. Posso ser novo, mas já tenho uma família e o que quero é dar o melhor para eles. Sonho com o futebol. Não sei fazer outra coisa a não ser jogar futebol. E vou continuar com isso até o final da carreira.

Site JD: Você confessou que faz uso de drogas desde os 15 anos de idade, quando já jogava futebol. Consegue lembrar do seu rendimento em campo antes e depois de começar a fazer esse uso?
Rodolfo: Lembro muito bem. Eu estava no São Paulo Futebol Clube e fazia várias partidas boas. Não usava droga nenhuma e vinha mantendo um ritmo muito bom. Depois disso acabei caindo nessa vida das drogas e acabou baixando bastante meu rendimento. Eu conseguia controlar um pouco, mas como é uma dependência química, uma doença, não tem como você controlar. E depois de uns seis, sete meses para cá, isso foi se agravando até eu cair no doping e acabei tomando alguns gols que poderia ter pego. A droga atrapalha bastante.

Site JD: Em algum momento desses seis anos você pensou na hipótese de não atuar mais por conta disso? Chegou a ter essa consciência, de que poderia ser banido do futebol?
Rodolfo: Eu pensava bastante. Sabia que um dia poderia cair no doping e, foi que nem eu falei, se trata de uma dependência que você não tem controle. Você tem pensamentos e muitas formas de viver a vida. Mas, vivendo com a droga, você pode até pensar, mas ela não deixa você se controlar. Ela é quem controla você. A dependência é algo complicado. Tem que ter um tratamento e uma internação que nem eu tenho hoje. E, graças a Deus, estou me recuperando e quero ficar bem.

Site JD: Você é casado e tem dois filhos. Além da família, quem mais está te apoiando nessa recuperação? Tem recebido mensagem e incentivo de amigos que são jogadores de futebol?
Rodolfo: Sim. Até mensagens das pessoas da minha cidade, que é Santos. Meu pai e minha mãe, que moram lá. Meu irmão me apoiando, assim como minha esposa, filhos e enteada. Também amigos que jogaram comigo desde pequenos. A maioria está me apoiando. Sempre tem um ou outro que ainda critica, mas, depois desse treinamento, estou com a cabeça muito boa e não fico caindo em provocação. Sei me controlar agora e estou reaprendendo a viver.

Site JD: E os seus companheiros do Atlético, como é o apoio deles?
Rodolfo: Acho que todos lá são meus amigos sinceros. Todos estão me apoiando. Fiz amigos dentro da clínica também. É sempre muito bom fazer novos amigos. Tem bastante pessoas especiais que estão me apoiando lá dentro, como os terapeutas e os psicólogos.

Site JD: Esse apoio do Atlético está sendo fundamental para você?
Rodolfo: Eu tenho que agradecer ao Atlético. Porque, se não fossem eles, acho que nenhum clube iria me apoiar depois desse julgamento. Agradeço muito ao Atlético, ao presidente, ao vice-presidente e ao Dr. Moro (Domingos Moro, advogado do clube). Acho que eles estão me ajudando muito e só tenho que agradecer.

Site JD: Seu caso chegará ao Pleno do STJD, que decidirá sobre a sua pena. No caso dela ser mantida, o que tem grandes chances de acontecer, o que você espera desse período em que ficará afastado? Acha que o seu sonho de permanecer no futebol será mantido?
Rodolfo: Sim. Vai continuar. Posso ficar dois anos parado, mas estarei treinando e me fortalecendo para, quando voltar, voltar bem e esquecer esse período que eu tive.



Últimas Notícias

Notícias

De novo a dupla Fla x Flu

Há jogos que mesmo não sendo decisivos acabam sendo marcantes. Lógico que uma final, uma partida que valha vaga para uma fase aguda de uma…

Notícias

Adeus, professor Vadão

Hoje (25) à tarde faleceu Oswaldo Alvarez, o Vadão, que estava internado tratando um câncer no fígado. A notícia vem logo após um domingo nostálgico…

Memória

2002 COM MUITA PAZ

Na tarde do dia 23 de Dezembro de 2001, o Furacão conquistava o seu primeiro título nacional! A partida final, em São Caetano do Sul,…