23 out 2012 - 18h00

Drubscky: "Todos nós estamos decepcionados"

Após o empate por 1 a 1 com o Guarani, nesta terça (23), no Janguito Malucelli, o técnico Ricardo Drubscky concedeu entrevista coletiva, comentando a má atuação da equipe e o resultado decepcionante.

Para o treinador, apesar do tropeço, o Furacão segue firme na briga pelo acesso à Série A e vai em busca da reabilitação já na próxima partida, sábado (27), diante do Guaratinguetá.

Confira abaixo os principais trechos da entrevista:

ANSIEDADE E DIFICULDADES ENCONTRADAS NO JOGO

"A gente criou algumas coisas interessantes, poderíamos ter feito um ou dois gols e já no segundo tempo, que a gente entrou com uma proposta de realmente mudar o ritmo, acelerar o ritmo, a gente não conseguiu. Não. Acho que muitas coisas coincidiram pra que a gente não fizesse uma boa partida, mas, enfim, isso faz parte. É um momento de muita tensão, de muita expectativa, de não se poder errar nunca e acaba que a gente fica um pouco ansioso e não consegue fazer as coisas como deve. Então foi uma partida ruim do Atlético, coisa que não vinha acontecendo nos últimos jogos – como você falou – e que nós vamos ter que recuperar essa qualidade de jogo pra já no próximo sábado a gente pontuar, e pontuar três pontos."

MÉRITO DO ADVERSÁRIO OU FALHAS DO ATLÉTICO?

"É difícil mensurar isso. A verdade é que o adversário veio com uma proposta muito defensiva, não é novidade nenhuma, que a gente previu isso, a gente conversou sobre isso, mas o campo não estava empapado, quer dizer, estava encharcado, mas ficou muito pesado, prejudicou um pouco o nosso toque de bola, sem dúvida nenhuma, eu acredito assim, isso é uma coisa mais subjetiva, mas a nossa equipe não estava solta como esteve nos outros jogos. Eu acho que pesou um pouco a parte física nesse espaço curto de tempo. Sinceramente, eu acho que coincidiram algumas coisas que a nossa equipe não foi brilhante, a nossa equipe não concatenou as jogadas de uma maneira rápida, que é o que a gente faz pra penetrar na defesa adversária."

DECEPÇÃO COM O RESULTADO E COMPROMETIMENTO DA EQUIPE

"Nós todos estamos decepcionados com a nossa atuação. Não foram os jogadores os responsáveis. Todos nós. Esses rapazes são maravilhosos. São jogadores assim que eu tenho um prazer imenso de estar junto a eles. Nós vamos recuperar, de repente esse é um percalço, é um tropeço que vai nos fazer bem. O campeonato está todo em jogo, não tem nada definido, e a gente está plenamente em condições de buscar os pontos, em condições de buscar a classificação. Essa decepção que você mencionou ela está no sentimento de todos nós. Todos nós estamos decepcionados. Se você vai hoje no vestiário, você vê que a turma está chateada. E eu respeito esse momento. É um momento de tristeza mesmo e amanhã já estamos com a cara limpa, com a cara lavada, e recomeçar o trabalho para sábado."

PRESENÇA DE PETRAGLIA NO VESTIÁRIO

"Ele deu muito apoio, dificilmente ele vai ao vestiário, mas ele deu muito apoio a todos. Não parabenizou ninguém, porque nós não fizemos um bom jogo, mas ele confortou a todos dizendo que estamos firmes no páreo, estamos aí."

ARBITRAGEM

"Eu, assim, eu não gosto de comentar de arbitragem, mas, esse árbitro de hoje eu acho que, dentre as coisas complicadas que nós tivemos, nós tivemos também uma atuação um pouco passiva desse árbitro, que teimou em não dar faltas a nosso favor, enfim, deixou o jogo rodar quando foram faltas claras, o lance do gol a gente tem que ver na TV melhor, mas, da falta deles, eu não vi, conversei com o João Paulo e ele falou que não encostou no adversário… então eu acho que ele foi muito rigoroso contra nós e, a nosso favor, não estou dizendo que ele deveria apitar a nosso favor, nunca reclamei de arbitragem, mas do nosso lado ele fez questão de deixar o jogo seguir em várias situações de falta."

NÃO É O MOMENTO DE FAZER TERRA ARRASADA

"É, e não vamos fazer. Eu lamento, assim, a gente pede desculpas ao torcedor, porque não dá pra estar aqui com uma cara de satisfação e dizendo alto e fazendo aquele senso comum de ‘vamos lá’. Eu não vou fazer isso. Eu estou triste, estou muito chateado, assim como o nosso vestiário está, mas plenamente pronto para a briga, plenamente armado para lutar e vamos fazer isso já a partir de amanhã com os treinamentos. E o motivo principal dessa minha confiança é o grupo que nós temos. É um grupo de jogadores de caráter e de muita qualidade.

PROBLEMAS NAS LATERAIS E FALTA DE APOIO

"Eu acho que não vou querer assim, culpar setores, né? Eu acho que o jogo do Atlético não encaixou. Eu tenho falado com vocês, a gente tem jogado de uma maneira muito conjunta. Então, quando defende, defende todo mundo; quando ataca, ataca todo mundo. E não foram só os atacantes. A gente teve algumas coisas que a gente acredita que foram motivos também para não ter jogado tão bem, além dessas que eu já citei, mas não foi só os laterais. Eles tiveram boa atuação e acho que o jogo do Atlético não encaixou. Acho que é por aí que nós vamos trabalhar e acho que sábado as coisas clareiam."

PAULO BAIER E ELIAS JUNTOS

"Eu também não vou sentenciar esse setor do campo. São dois grandes jogadores, o Elias entrou com uma proposta de jogar um pouco mais pela beirada, fazendo um meia chegando no lado esquerdo e as coisas fluíram muito bem no primeiro tempo. Não como o Atlético tem costumado jogar, mas fluíram bem. E, no segundo tempo, realmente caiu toda a equipe. Caindo toda a equipe, o jogo não aparece. Então, assim, são coisas que a gente vai ter tranquilidade pra acertar aí nos próximos treinos e para os próximos jogos.

NÃO ENTRADA DE FELIPE NA SEGUNDA ETAPA

"Não usei porque eu achei que, assim, os jogadores que estavam em campo seriam mais ofensivos. Eu pensei na substituição do Héracles por Saci, o Saci estava um pouco confuso em alguns lances, mas tem uma bola boa, tem uma metida de bola boa, então, assim, são apostas que a gente faz ali no finalzinho e que a gente escolhe, opta e nem sempre dá certo, ou às vezes dá certo. Então, realmente eu tinha a opção do Felipe, mas já tinha mexido no Paulo, já tinha colocado o Ligüera, e tirar a ofensividade do Taiberson, que não foi bem, entrou e não foi bem, mas tirar a ofensividade que o Taiberson provoca e o Marcelo, pra colocar um meia, talvez fosse complicar. E eu já estava só com um volante também. E o Marcão não tinha como tirar porque é um jogador que, a qualquer momento, faz um gol. Então, assim, eu fiquei um pouco engessado. Talvez o Elias, mas aí você aposta numa bola de fora da área, numa bola parada, enfim. São coisas que você tem que decidir ali e, às vezes dão certo, às vezes não dão. Talvez se mexesse desse certo, talvez se mexesse ficava a mesma coisa, enfim, opções que o treinador tem, e que usa, e foi assim que aconteceu hoje."



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Time voando baixo

Foi um “Passeio”, o time comandado por Eduardo Barros, deu aula… Os meninos Christian e Erick, comando meio de campo, Wellington o “maestro” regendo a…

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…