23 out 2012 - 16h02

Furacão não se garante e fica no empate

Na tarde desta terça-feira (23), o Atlético entrou em campo debaixo de muita chuva no Janguito Malucelli, na tentativa de vencer para permanecer entre os líderes da Série B.

Porém, apesar do domínio territorial e de ter saído na frente, o Rubro-Negro permitiu o empate e não conseguiu vencer a retranca bugrina, com o jogo terminando empatado por 1 a 1.

Mesmo não mantendo o aproveitamento de 100% nas partidas disputadas em Curitiba, o Furacão segue no G4, beneficiado pelo empate entre São Caetano e Ipatinga, por 1 a 1.

Confira como foi o jogo:

Furacão pressiona, mas desperdiça oportunidades na primeira etapa

Em busca da vitória, o Rubro-Negro foi para cima do Guarani desde o início do jogo. Logo no primeiro minuto, Elias lançou Marcão na área, mas o atacante estava em posição de impedimento. Aos dois, Henrique fez bom cruzamento, mas a zaga bugrina afastou de cabeça. Aos três, João Paulo limpou bem a jogada e arriscou da intermediária, mas a bola passou por sobre a meta.

Pressionado, o Bugre tentou dar o troco em seguida. A bola foi lançada nas costas de Cleberson e Schwenck quase conseguiu chegar. Aos nove, Wellington Saci fez boa jogada, limpou o marcador e arrematou da intermediária, mas a bola saiu à direita do gol. Aos 12, novamente o Guarani tentou responder com Schwenck, que chutou de longe. A bola quicou no gramado, mas Weverton estava atento e fez defesa tranquila.

O Atlético continuou mandando no jogo e construindo as melhores jogadas, principalmente pelo lado direito, enquanto o Bugre permanecia adotando uma postura defensiva e priorizando a marcação. Aos 16 minutos, Paulo Baier acertou um belo lançamento para Marcelo que, de primeira, tocou na saída de Emerson. O goleiro bugrino fechou bem o ângulo, conseguindo afastar. No rebote, Henrique chutou com perigo e a bola passou muito perto do ângulo esquerdo do Guarani.

Aos 21, Marcelo conduziu bem a bola até a linha de fundo e cruzou para a área, mas Marcão não conseguiu alcançar. E como não conseguia penetrar a defesa do time de Campinas, a equipe atleticana foi ficando nervosa e passou a cometer erros bobos, permitindo que em determinado momento o Guarani equilibrasse o jogo. Aos 26 minutos, o Bugre levou perigo com Rafael Costa que, em cobrança de escanteio, quase marcou gol olímpico. Logo em seguida, depois de boa jogada, a bola chegou para Schwenck, que exigiu grande defesa de Weverton.

Depois do susto, o Atlético acordou e respondeu com João Paulo, aos 30 minutos. O volante recebeu na intermediária e mandou uma bomba em direção ao gol, mas Emerson se esticou todo e conseguiu mandar para escanteio. Na cobrança, Marcelo desviou para cabeçada de Marcão, que saiu por sobre a meta adversária. Aos 33, em cobrança de falta, Baier levantou a bola na área e, no rebote, Manoel dominou de frente para o gol e bateu mal, desperdiçando outra ótima oportunidade.

Aos 37, em contra-ataque, Marcelo recebeu dentro da área e rolou para Paulo Baier. O maestro bateu cruzado, mas pegou mal na bola e facilitou para a defesa bugrina. Aos 42, após bela tabela entre Baier e Marcelo, o maestro recebeu livre e tocou no contrapé do goleiro do Guarani, mas a bola saiu à esquerda do gol em mais uma chance perdida.

Assim, sem que o Atlético conseguisse converter em gols o amplo domínio na partida, a primeira etapa terminou com o placar fechado.

Atlético sai na frente, mas permite empate e não consegue reagir

O Furacão iniciou o segundo tempo da mesma forma que o primeiro, indo para cima do adversário, mas de maneira apressada e facilitando para o Guarani, que só se defendia.

Sem criar boas chances, o Atlético levou mais um susto aos oito minutos. Dener, que entrou depois do intervalo, arriscou de longe. A bola desviou e quase sobrou para Schwenck, mas Manoel conseguiu se antecipar e evitar o arremate do atacante bugrino.

Aos 13 minutos, percebendo as dificuldades da equipe, o técnico Ricardo Drubscky sacou Henrique para a entrada de Taiberson, tentando melhorar o desempenho ofensivo. Com isso, Deivid passou a ocupar a lateral-direita.

Três minutos mais tarde, Marcelo recebeu na entrada da área, limpou a jogada e mandou uma pancada, no ângulo. A bola ainda bateu na trave antes de ir parar no fundo das redes para alegria da torcida atleticana.

Com o gol do Atlético, o Bugre foi em busca da reação e quase chegou com Dener que, aos 19 minutos, chutou da intermediária, mas sem direção. Aos 22, porém, o Guarani chegou ao empate em cobrança de falta. O goleiro Emerson bateu muito bem, por cima da barreira, no canto direito de Weverton, que nada pode fazer.

Depois de sofrer o gol de empate, o Furacão ficou ansioso, buscando pressionar o Guarani, mas sem organização. Com o jogo embolado na meia cancha, o Rubro-Negro não conseguia criar boas jogadas.

Aos 33 minutos, Drubscky promoveu a entrada de Martín Ligüera no lugar de Paulo Baier, na tentativa de dar maior movimentação à equipe. Aos 37, Marcão se livrou bem da marcação e arrematou, mas a bola explodiu no zagueiro. No rebote, João Paulo arriscou de longe, mas a bola saiu por cima do gol. Aos 40, boa oportunidade em falta pela direita, mas Elias cobrou muito mal, nas mãos do goleiro Emerson.

Satisfeito com o resultado de empate, o Guarani se fechou ainda mais e não permitiu que o Rubro-Negro chegasse com perigo. Aos 46, Manoel ainda teve mais uma oportunidade de garantir a vitória, mas isolou.

%ficha=941%



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Insanidade

Louva-se o posicionamento do CAP em relação à atitude insana, egoísta e manipuladora do Flamengo, que chegou ao ponto de utilizar-se da peste alcançar seus…

Camisa preta edição especial.

Opinião

Viva a revolução!

Eu sou corneta. Confesso! Se o time vai mal, sou o primeiro a reclamar. Se o time vai bem, tem que melhorar. Se ganhou de…

Notícias

A evolução do Athletico

É inegável a evolução do rubro-negro. Desde a mudança no comando técnico, o Furacão vem evoluindo a cada jogo. Atualmente acumula quatro vitórias consecutivas. Além…