14 nov 2012 - 9h04

Cartões desfazem o "quinteto de fôlego"

O “quinteto de fôlego” do Atlético foi desfeito na reta final da Série B. Mas não por vontade do técnico Ricardo Drubscky. Os cartões amarelos tiraram o zagueiro Manoel e o volante Deivid da partida da última sexta-feira, em Arapiraca. Para o próximo jogo, no sábado em Criciúma, provocaram as suspensões do zagueiro Cleberson e do goleiro Weverton.

Junto com o volante João Paulo, eles são os cinco jogadores que mais atuaram pelo Atlético na Série B, numa demonstração de fôlego, qualidade e resistência. O cálculo considera os minutos em campo, e não apenas o número de partidas.

Quem mais jogou foi Cleberson, 20 anos, com 2840 minutos em 32 jogos. Nos 31 como titular, ficou os 90 minutos em campo. Só não atuou mais porque levou nove cartões amarelos. Portanto, cumprirá no jogo de sábado, contra o Criciúma, sua terceira suspensão por esse motivo.

Weverton, 24 anos, disputou 31 jogos e 2790 minutos. Manoel, 22 anos, esteve em 30 partidas e 2640 minutos. João Paulo, 27 anos, em 25 jogos e 2156 minutos. Os três só levaram até agora três cartões amarelos. Tiveram, portanto, apenas uma suspensão por esse motivo. João Paulo foi expulso uma vez e, por isso, também ficou uma rodada fora devido ao cartão vermelho. Deivid, 23 anos, jogou 2141 minutos em 26 partidas.

No total, o Atlético é um dos times que menos sofreu com esse problema na Série B. O time é 5º com menos amarelos na competição – 86 em 36 rodadas – e o 3º com menos vermelhos – apenas quatro. Os jogadores do Furacão com mais amarelos são Cleberson (9), o atacante Ricardinho (7) e Deivid (6).

Considerando apenas o número de jogos disputados – e não os minutos em campo – o atacante Marcelo seria a única alteração na lista dos cinco mais presentes. O jogador, de 20 anos, esteve em 27 partidas – 20 como titular, somando 1789 minutos.

Reportagem de autoria do jornalista Silvio Rauth Filho



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…

Fala, Atleticano

Foi épico

Assim, como o jogo de Santiago contra a Universidad Católica, estará para sempre na memória de qualquer atlheticano… O que aconteceu ontem na Bolívia, também..…