21 ago 2013 - 21h21

Derrota no Pacaembu

O Atlético foi a São Paulo nesta quarta-feira (21) enfrentar o Palmeiras na partida de ida das oitavas-de-final da Copa do Brasil. Com Elias substituindo o maestro Paulo Baier, o Atlético demorou a encontrar uma boa troca de passes e o caminho do gol. No entanto, uma desatenção logo no início do jogo selou o placar de 1 a 0 para o Palmeiras.

Desatenção que custou o placar

O Palmeiras iniciou a partida buscando o ataque com velocidade. Com apenas um minuto de partida, Ananias chegou na grande área e Weverton saiu do gol para fazer a defesa. Aos três minutos, Charles chutou de fora da área e o goleiro atleticano se esforçou na defesa. Na cobrança do escanteio pela direita, Vilson cabeceou livre para o gol e abriu o placar no Pacaembu.

Aos cinco minutos de partida o Atlético chegou pela primeira vez ao ataque, mas Dellatorre não conseguiu finalizar. O Palmeiras seguia firme na marcação impedindo o Furacão de armar uma boa jogada de ataque. Somente aos nove minutos Everton chegou com velocidade pela lateral-esquerda e cruzou para Dellatorre, que cabeceou para fora. O Furacão continuou tentando, mas era difícil chegar com perigo à área do goleiro Fernando Prass.

Aos 22 minutos veio a primeira chance real de gol. Dellatorre encaixou o passe perfeito para Marcelo ficar frente a frente com Fernando Prass, porém, o atacante chutou à direita da trave, desperdiçando a oportunidade. Logo em seguida o Palmeiras teve uma chance de ampliar, mas Alan Kardec também finalizou para fora.

Aos 31 minutos, o técnico Vagner Mancini precisou fazer sua primeira alteração, colocando Jonas no lugar de Léo, que saiu contundido. Somente aos 34 o Rubro-Negro conseguiu melhorar a troca de passes e chegar ao ataque. Elias recebeu de Marcelo e deixou para Dellatorre finalizar, e Fernando Prass fez a defesa com os pés. Dellatorre ainda teve mais uma chance aos 39 minutos, mas chutou para fora.

No fim do primeiro tempo o jogo começou a ficar mais violento, com faltas para os dois lados, e Zezinho levou cartão amarelo.

Chances desperdiçadas

No intervalo, Vagner Mancini decidiu substituir Elias pelo artilheiro do time, Éderson. Logo no início do segundo tempo o Palmeiras quase aproveitou a desatenção da defesa atleticana novamente, quando Wesley cruzou para Ananias, que não alcançou a bola para finalizar.

O Atlético voltou mais atento e chutou a gol duas vezes antes dos dez minutos, com Everton e Jonas. Aos 14, o Palmeiras levou perigo à área do goleiro Weverton com um bate e rebate, mas a defesa rubro-negra conseguiu afastar o perigo.

O Atlético teve chance de empatar o jogo aos 19 minutos. No passe de Dellatorre, Éderson finalizou cruzado para o gol, mas a bola foi para fora. Em seguida, Jonas fez falta próxima da grande área e Mendieta cobrou no canto. Weverton só acompanhou a bola saindo.

O jogo seguiu aberto e tanto Dellatorre quanto Alan Kardec desperdiçaram chances na sequência. Com 33 minutos jogados do segundo tempo, Mancini fez a terceira alteração, colocando Felipe no lugar de Dellatorre. Sem conseguir repetir a boa troca de passes, o Furacão deu espaço para o Palmeiras chegar novamente ao ataque. Alan Kardec deixou a bola para Mendieta finalizar e Jonas conseguiu afastar.

Nos minutos finais o Rubro-Negro tentou o empate com um ataque rápido de Marcelo, que isolou a bola. Pedro Botelho tentou em seguida um cruzamento, mas a bola parecia não querer entrar no gol. O Palmeiras ainda teve chance de contra-ataque, mas o placar seguiu inalterado.

No fim de semana o Atlético volta as atenções para o Campeonato Brasileiro, quando enfrenta o líder Botafogo na Vila Capanema. O jogo de volta das oitavas-de-final contra o Palmeiras acontece somente na próxima quarta-feira, às 21h50, também na Vila.

%ficha=992%



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…