22 set 2013 - 21h24

Mancini elogia: "A superação foi pontual"

O técnico Vagner Mancini comentou sobre a vitória atleticana, desta vez, sobre a Ponte Preta, na Vila Capanema. Satisfeito com o desempenho da equipe rubro-negra, que subiu para a terceira posição, o treinador fez elogios a Paulo Baier, autor do gol atleticano, falou sobre a atuação dos suplentes e as dificuldades de jogar sob forte chuva.

Veja abaixo os comentários do treinador na íntegra:

DIFICULDADES
“Choveu demais, não só durante o jogo, mas ontem e antes da partida. Um campo muito diferente do que estamos acostumados e o time, por ser mais técnico, sentiu mais o peso da grama. A Ponte acabou, de certa forma, ao longo de todo o jogo, se colocando melhor, bem armada, dificultando muito. Mas sabíamos que quando acontecesse isso o mais importante era vencer a partida, não importasse como, seja em bola parada, lance bonito ou feito. O importante é que a gente alcançasse o objetivo e felizmente isso foi feito em campo”.

SUPERAÇÃO
“Acho que foi fazer a leitura do jogo, entender que não dava pra jogar de uma forma mais técnica, mas como o jogo pedia. Importante é que você tenha uma equipe madura pra saber que tem dia que dá pra jogar, tem dia que tem que dar chutão mesmo e valorizar o gol que fizemos no início do jogo. É importante quando a equipe enxerga dentro de campo. A superação hoje foi botada em prática. Sabíamos que ia ser um jogo difícil se não chovesse. Chovendo, ficou mais difícil porque além da Ponte Preta vir bem armada ainda teríamos a dificuldade desse campo pesado, mas acho que a equipe passou no teste. A superação foi pontual”.

O JOGO
“No segundo tempo a gente encaixou a marcação, voltamos com o Deivid em cima do Chiquinho, e adiantamos os dois alas. A equipe melhorou porque houve o encaixe de marcação bem feito, voltou a atacar e a ter chance de gol. No segundo tempo o Atlético jogou melhor, mas a Ponte, por ter bola parada e pelas condições do campo, em todo lance que essa bola era jogada na nossa área dificultava a marcação. Mas de tudo que vimos o que tiramos de lição tem dia que vamos ter que jogar dessa forma. Embora o treinador e o torcedor não gostem é necessário”.

BAIER
“Ele fez um golaço e teve alguns outros lances no jogo que ele participou, inclusive no segundo tempo com muita eficácia. Hoje foi talvez a nossa peça técnica mais lúcida. É óbvio que num jogo desse a gente também tem que contar com o aspecto físico, a força, mas em certos momentos ele desequilibrou a nosso favor. Algumas enfiadas de bola, um gol belíssimo num campo molhado, pesado. Ele enxergou talvez mais rápido do que os outros aquilo a partida pedia”.

VANTAGEM
“A gente fica feliz porque são sete pontos difíceis de tirar, mas ainda falta muita coisa no campeonato, muita coisa pode acontecer. A gente não pode piscar o olho num campeonato duríssimo. Você tira como exemplo a Ponte Preta, que tem apenas 19 pontos e hoje dificultou ao máximo pra gente hoje, Todos os jogos são difíceis. O Botafogo foi derrotado em casa. Sete pontos é uma boa vantagem mas não vai nos levar a lugar nenhum senão tivermos o desempenho de hoje, em termos de vontade, garra e dedicação. Mais uma vez saímos felizes por termos ganho e alcançado o nosso objetivo”.

SUPLENTES
“Felizmente a gente tem visto que alguns atletas estão entrando e dando conta do recado. Aquilo de ter apenas 11 jogadores não é verdade no Atlético. Nós temos uns 18, 19 jogadores que podem entrar e não deixam cair o ritmo e isso é muito importante. Isso é muito importante porque você acaba se situando bem na tabela. Nenhum técnico no Campeonato Brasileiro pode se dar ao luxo de escalar o mesmo time cinco, seis jogos seguidos. O que sempre faz com que você perca alguma coisa. Então nesse sentido temos que exaltar o grupo, não só pelo exemplo que tem dado dentro de campo, de guerreiros, soldados de um exército que vão até o fim da luta, de cada batalha. Temos que valorizar aqueles atletas que estão entrando, como foi o caso do Deivid, do Zezinho e outros que estão sempre no mesmo nível”.

AUSÊNCIAS E RETORNO
“O Maranhão foi bem nos jogos onde ele entrou. Contra o Flamengo bobeamos no setor dele durante aqueles 15 minutos, mas não dá para culpar porque ele é atacante e jogou improvisado. HOje a opção do Pedro Botelho é com ele temos um time mais alto. Então procurei elevar a estatura do time porque a Ponte usava muito a bola parada. Entrou o Roger, Dellatorre e o Jonas, que são os mais altos que eu tinha no banco. Então sempre que forem aparecendo as oportunidades a gente vai tentando escolher. Mas é importante que todos estejam no mesmo nível para que a equipe não sinta as alterações”.



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…