25 fev 2014 - 0h01

Direto da Argentina, a nossa torcida!

“Eu te sigo em toda parte!” A famosa música da torcida atleticana, que já virou até tema de campanha publicitária do clube, se diz presente mais uma vez e move diversos torcedores a percorrerem os 1.793 km que separam Curitiba de Buenos Aires para acompanhar o jogo desta noite, entre Vélez Sarsfield e Atlético, pela segunda rodada da fase de grupos da Libertadores.

Na bagagem, eles carregam um otimismo com pés no chão e a responsabilidade de representarem uma legião inteira de torcedores que acompanharão à partida pela TV, com transmissão pela Fox Sports 1 (clique aqui e confira) ou pelo radinho. Todos, num compromisso com a nossa paixão, naquele que é considerado o jogo mais difícil desta fase da Libertadores, tanto por atleticanos, quanto para velezanos, como são chamados os torcedores do Vélez.

“Minhas expectativas são de 3 pontos, mas sabendo que é o jogo mais difícil da primeira fase. Então um empate já será bem-vindo. O clima na cidade e movimentação de torcida, por ser o Vélez, é mais difícil perceber. O Vélez é um time de bairro e você não vê torcedores nas ruas do centro. Mas consegui encontrar um! E ele disse que considera esse o jogo que vai definir o primeiro e segundo lugar da chave”, contou o empresário atleticano Felipe Sanchez, que está na cidade desde o fim de semana e comentou que as principais referências atleticanas para os argentinos atualmente são o atacante Adriano e as obras na Arena para a Copa do Mundo.

O pouco prestígio do nosso adversário em terras locais também foi citado pelo atleticano William Romero, que junto com mais quatro amigos chegou à capital portenha na segunda-feira. “O clima na cidade não parece tão inflamado por conta do jogo. Isto pode se dever ao fato de o Vélez ser considerado um time pequeno pelos argentinos no que tange à quantidade de adeptos”, disse, completando com uma história que presenciou: “Para você ter uma ideia, fomos trocar dólares numa casa de câmbio e o sujeito insinuou que o estádio seria pequeno. Questionei a afirmação, já que o campo tem capacidade para quase 50 mil pessoas. Ele referiu que o Vélez é um time sem torcida e que nunca chega perto de encher o estádio”.

Um retrospecto que ao menos parece ser favorável ao Furacão, que terá uma torcida pequena no estádio José Amalfitani, mas que será bem barulhenta, como já é tradicional nos jogos do Atlético. Além dos torcedores individuais ou grupos de amigos, um ônibus da torcida Os Fanáticos também saiu de Curitiba rumo a Buenos Aires.

Para quem vai daqui algumas horas ao estádio acompanhar de pertinho o jogo, a confiança é palavra obrigatória. “Espero que nossos jogadores tentem esquecer a pressão da torcida e foquem só dentro de campo, que com certeza temos mais qualidade que eles”, disse Felipe Sanchez. “Nossa maior dificuldade é a qualidade do time do Velez. Embora seja um time muito mais famoso pela propaganda do que pelo futebol efetivo, é um clube que tem muito mais tradição que nós na Libertadores. De mais a mais, já foi campeão do mundo”, alertou William Romero.

Mas independente das dificuldades, os atleticanos que estão na Argentina deixam um último recado citando a música-lema dessa trajetória: “Nesta campanha estaremos sempre contigo, Furacão!”.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…