9 mar 2014 - 17h49

Com atuação ridícula, Atlético é goleado pelo Paraná

Com o Atlético já garantido na próxima fase do Campeonato Paranaense, o técnico Petkovic decidiu poupar vários titulares da equipe Sub-23 na partida deste domingo (9), contra o Paraná. Mas as mexidas foram muito prejudiciais ao time, que não se encontrou em campo e levou um banho de bola do Tricolor no primeiro tempo, sofrendo 2 a 0 e correndo o risco de ser goleado.

Na etapa final, o técnico tentou corrigir as falhas com substituições, mas não teve jeito: o Rubro-Negro continuou inoperante e saiu derrotado por 4 a 0 da Vila Capanema – a maior goleada a favor do Tricolor na história do confronto.

Confira como foi o jogo:

Mediocridade em campo no primeiro tempo

Nos 45 minutos iniciais, o Atlético escapou por pouco de levar uma senhora goleada do Tricolor. As várias modificações promovidas na equipe por Petkovic resultaram no óbvio: um time perdido em campo, totalmente desorganizado e que não conseguia trocar dois passes sem errar.

Sem nada com isso, o apenas razoável Paraná Clube teve muita facilidade para jogar e foi criando chances desde o começo da partida, abrindo o placar com gol de Giancarlo logo aos três minutos. Aos oito, Paulinho entrou como quis na área do Rubro-Negro e bateu forte, mas Hugo conseguiu defender.

Sem levar nenhum perigo à meta de Marcos, o Atlético seguia sendo pressionado. A primeira vez que o Atlético chegou ao ataque foi aos 14 minutos, com Jonatan Lucca, que recebeu na entrada da área e chutou para fora. Um minuto depois, Harrison cobrou falta e a zaga paranista afastou. Aos 17, outra chegada do Paraná, com Fernando Gabriel, que chutou de fora da área, mas sem direção.

Aos 20, Harrison bateu escanteio e a defesa tricolor afastou. Pouco depois, Erwin saiu jogando errado e o Paraná recuperou a bola na meia cancha. Breno recebeu e cruzou para a área do Atlético, sem nenhum perigo, mas Erwin tentou tirar e pegou muito mal na bola, que caiu nos pés de Fernando Gabriel. O paranista, com tranquilidade, fez o corte no zagueiro e bateu no canto direito de Hugo, ampliando o placar aos 24 minutos.

No banco, o técnico Petkovic parecia perplexo com a atuação de seu time, que só não sofreu mais gols porque o Paraná, depois de marcar o segundo, diminuiu o ímpeto ofensivo e, mesmo assim, chegou a perder algumas boas chances de ampliar.

Na saída para o vestiário, Juninho resumiu bem o desempenho do Atlético no primeiro tempo: “Não entramos em campo.”

Mais mediocridade e goleada na etapa final

Para a segunda etapa, o técnico Petkovic promoveu logo duas alterações no Atlético: tirou Everton e Jonatan Lucca para as entradas de Otávio e Crislan, respectivamente. As mudanças melhoraram um pouco o time, mas não o suficiente para que o Rubro-Negro equilibrasse o jogo.

Tanto que, depois de criar chances aos cinco, aos dez, 11 e 12 minutos, o Tricolor fez mais dois gols, aos 14 e 16, ambos de Giancarlo, artilheiro isolado do Campeonato Paranaense. O atacante foi comemorar o seu terceiro gol, quarto do Paraná, em frente à torcida do Atlético, recebendo cartão amarelo.

Os dois gols seguidos desestabilizaram ainda mais o time atleticano que, nervoso, começou a cometer faltas duras e entrar duro nas divididas. Aos 18, Léo Pereira foi advertido pela arbitragem depois de cometer falta dura. O melhor lance do Atlético saiu aos 22 minutos, numa cobrança de falta de Harrison, defendida por Marcos no centro do gol.

E diante de um adversário apático e atrapalhado, o Paraná continuou soberano na partida, sem correr nenhum risco. Enquanto isso, o técnico Petkovic parecia mais preocupado em não sofrer mais gols do que em buscar o resultado, já que aos 27 minutos tirou Nathan para a entrada de Lucas Alves.

Sem criar uma única chance real de gol na partida, o Atlético foi posto na roda pelo Tricolor e, ao apito final, comemorou o fato de não ter perdido de mais – apesar de ter sofrido a maior goleada para o Paraná Clube na história do confronto.

Com o resultado, o Atlético terminou o primeiro turno na oitava posição e, nas quartas-de-final, enfrenta o próprio Tricolor que, com a derrota do Coritiba para o Londrina, ficou na liderança da competição.

%ficha=1037%



Últimas Notícias

Opinião

E lá se vão 6 anos

O tempo passa. Completamos hoje 6 anos de Nikão no Athletico. Há exatos 6 anos recebíamos Maycon Vinicius Ferreira da Cruz, conhecido como Nikão. Quando…

Ao Sol e à Sombra

Caju

Dizem que onde o goleiro pisa, nunca mais cresce a grama. Mas no estádio Joaquim Américo, mesmo agora, com o gramado sintético, a grama é…

Fala, Atleticano

Pandemia x Pandético

Infelizmente em 2020 tivemos que conviver com esta pandemia, isolando jogadores e torcida, mas como reflexão sabemos que a cada dia que passa esta situação…