17 maio 2014 - 12h56

Copa na Arena: Conheça a seleção da Espanha

Entre as 32 seleções que disputarão o mundial, a Fúria será a única a se instalar em Curitiba, já que optou por fazer do CT do Caju o seu centro de treinamentos durante a Copa do Mundo 2014. Os espanhóis desembarcam no Afonso Pena em 08/06 e, no dia 23, às 13h00, jogam a terceira das quatro partidas que ocorrerão na Arena da Baixada, contra a Austrália.

O elenco da Seleção da Espanha, que atualmente ocupa a 1ª posição no ranking da FIFA, é recheado de estrelas em todos os setores: Casillas no gol, Piqué na zaga, Xabi Alonso e Iniesta no meio campo, David Vila e Fernando Torres no ataque são alguns dos nomes que o técnico Vicente del Bosque incluiu na pré-convocação para a Copa do Mundo 2014.

Mas a grande novidade dos atuais campeões mundiais pode ser a presença de um brasileiro naturalizado espanhol, que chegou a ser convocado por Felipão mas rejeitou a Seleção Canarinha: Diego Costa, destaque do Atlético de Madrid, também figura na pré-lista da Espanha.

Depois de renegar a amarelinha, Diego Costa vira esperança de gols da Fúria [foto: divulgação]


Com tantos jogadores de altíssimo nível técnico, a Espanha chega ao Brasil, sem dúvida, com a esperança de defender o título e conquistar o bicampeonato. Entretanto, já na primeira fase os espanhóis terão adversários difíceis pela frente: eles percorrerão 5.042 km para disputar seus três jogos, contra Holanda (na Fonte Nova), Chule (no Maracanã) e Austrália (na Arena).

Nas Eliminatórias, não tiveram dificuldades e obtiveram a classificação para o mundial com 83,3% de aproveitamento, vencendo seis dos oito jogos e terminando na liderança do seu grupo, com 20 pontos e 11 gols de saldo.

Fora o título conquistado em 2010, na África do Sul, o melhor desempenho da Fúria foi justamente na Copa do Mundo de 1050, realizada no Brasil, que terminou na 4ª colocação. Nas outras participações em mundiais, a Espanha não conseguiu avançar além das quartas-de-final.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…