3 jul 2014 - 20h10

Mesmo cauteloso, Doriva projeta temporada boa para Furacão

No comando do Atlético há 18 dias, o técnico Doriva parece usar a mesma estratégia do ex-treinador Vagner Mancini para projetar a sequência da temporada 2014 para o Furacão. Assim como o treinador do ano passado, que levou o clube ao vice-campeonato da Copa do Brasil, 3º lugar no Brasileiro e à classificação na Libertadores da América, Doriva repete o discurso de dar um passo de cada vez, garantindo que num primeiro momento o objetivo é se manter na Série A, mas que a sequência de resultados pode sim levar o time a ambições maiores.

“Lógico que primeiramente a gente tem que pensar em se manter na primeira divisão. À medida que as coisas forem acontecendo, que o time for ganhando confiança e um espírito vitorioso, aí você começa a ambicionar algo mais. Ano passado, a equipe surpreendeu e conseguiu chegar à Libertadores. A gente espera repetir”, afirmou. “A gente sabe que o Campeonato Brasileiro impõe uma dificuldade, é um campeonato de um nível altíssimo. Então, a gente tem que estar pronto e preparado para enfrentá-las", acrescentou.

Como itens necessários para alcançar esses objetivos, Doriva se apega à “cara” que espera dar ao time, citando inclusive as raízes atleticanas com o espírito guerreiro e da raça em campo. “Até mesmo a história do Atlético Paranaense é assim, a história de um time aguerrido, de um time que joga para frente, que busca a vitória. Com certeza, a gente quer tentar continuar com este histórico do Atlético”, disse o treinador, em entrevista à TV CAP.

Como trunfo para atingir essa meta, Doriva lembra principalmente da juventude do time, que tem um dos elencos mais novos da Série A do Brasileirão. “A gente tem atletas para isso, e a gente espera tirar desses atletas esse tipo de performance, que, além do resultado, agrade também ao torcedor", completou.

Para isso, ele não esconde a forma moderna que pretende fazer o time jogar, valorizando a posse de bola, mas que também tem cumplicidade de todos os atletas em campo na marcação. “O futebol moderno exige uma equipe que saiba se defender bem, que saiba o momento certo de atacar, que consiga manter a posse de bola ofensiva, que consiga jogar, que, quando tem a possibilidade, ela propõe o jogo, mas, quando precisa se defender, ela defende agrupada, com muito comprometimento dentro das funções táticas que a gente exige. A receita para o sucesso é você ter um time assim, que não dose, que se doe, que coopere dentro de campo, que se ajude”, projetou.

A estreia de Doriva no comando do time atleticano será no próximo dia 16 de julho, contra o Flamengo, em Macaé.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…