20 jul 2014 - 20h33

De volta pra casa, Furacão vence e está no G4

Neste domingo (20), o Atlético pôs fim a uma espera que já durava dois anos e meio ao mandar um jogo oficial na sua Arena da Baixada. O duelo contra o Criciúma, válido pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro, foi realizado com portões fechados, sem a presença da fanática torcida rubro-negra, graças à punição imposta pelo STJD.

Mas se no primeiro tempo a ausência do calor das arquibancadas pareceu se refletir em campo, já que as equipes fizeram um jogo truncado, sem grandes chances, a segunda etapa foi totalmente diferente. O Furacão fez 2 a 0 em poucos minutos, contando com a inspiração de Douglas Coutinho, que deu a assistência para Marcelo marcar o primeiro e logo em seguida fechou o placar.

De quebra, o Rubro-Negro chegou à 4ª posição na tabela, com os mesmos 19 pontos de Internacional, São Paulo e Grêmio, mas à frente nos critérios de desempate. Veja como foi a partida:

Jogo morno e sem grandes chances na primeira etapa

Ambas as equipes começaram priorizando a marcação e sem criar boas jogadas ofensivas. O primeiro a chegar com perigo foi o Criciúma. Aos seis minutos, Bruno Lopes aproveitou a sobra depois de escanteio e chutou de fora da área, mas Weverton estava ligado e tocou para fora.

Aos poucos, o Furacão foi tentando sair para o jogo, mas o Tigre permanecia bem postado na defesa, com duas linhas de quatro, priorizando o contra-ataque. Com isso, o Rubro-Negro não conseguia chegar ao ataque com condições de arrematar ao gol. A primeira boa chance do Atlético saiu somente aos 20 minutos, quando Éderson cruzou rasteiro da direita, Fábio Ferreira tentou tirar e acabou desviando contra o patrimônio, mas o goleiro conseguiu salvar.

Tentando dar o troco, o Criciúma foi à frente aos 23. Aproveitando belo lançamento de Paulo Baier, o atacante Bruno Lopes cruzou perigosamente para a área atleticana, mas a zaga levou a melhor e conseguiu afastar. Quatro minutos depois, Otávio deu um susto na torcida – que, hoje, era só no sofá – ao recuar mal para Weverton, deixando o atacante do Criciúma em condições de roubar a bola e marcar. Felizmente, o arqueiro rubro-negro estava atento e conseguiu se antecipar, evitando o desastre.

Aos 28, mais uma vez o time catarinense levou perigo à meta atleticana. Bruno Lopes tabelou com Silvinho, que bateu colocado, à esquerda de Weverton, que tirou “com os olhos”. Nos minutos seguintes, o Criciúma tentou pressionar, apostando na bola parada para tentar abrir o placar.

Mas aos poucos o Rubro-Negro foi tomando as rédeas do jogo e, no final do primeiro tempo, começou a criar chances de gol. Aos 36, Sueliton fez bom cruzamento para Marcelo, que tocou de cabeça, mas a bola saiu por sobre a meta de Bruno. Dois minutos depois, Natanael cobrou falta da direita, mas mandou a pelota no centro do gol, facilitando a vida do goleiro catarinense. Aos 39, Otávio arriscou chute da entrada da área, mas também mandou no meio da meta.

O Atlético ainda tentou chegar mais duas vezes. Aos 39, Éderson recebeu de Marcos Guilherme na área e tentou tocar de letra para Marcelo, mas a zaga cortou; aos 41, Marcelo chutou de longe, a bola desviou e quase traiu o goleiro do Tigre. Porém, a primeira etapa terminou sem nenhuma grande oportunidade de gol.

Furacão acorda e atropela no segundo tempo

Ao contrário do primeiro tempo, a etapa final começou movimentada, com o Atlético partindo para cima do Criciúma em busca de abrir o placar. Logo aos quatro minutos, Éderson cobrou falta colocando a bola no canto esquerdo, mas sem muita fora, permitindo a defesa de Bruno.

Mas pouco depois começou a brilhar a estrela de Douglas Coutinho. Primeiro, o atacante fez linda jogada pela direita, avançou em velocidade e, percebendo Marcelo livre dentro da área, fez um cruzamento milimétrico para o camisa 7, que com toda a tranquilidade cabeceou para o fundo das redes de Bruno, abrindo o placar na Arena da Baixada.

Em seguida foi Coutinho quem recebeu um ótimo cruzamento de Sueliton e cabeceou firme. O goleiro do Tigre conseguiu defender, mas no rebote o atacante levou a melhor sobre a zaga e bateu forte, ampliando a vantagem rubro-negra.

Com a desvantagem no placar, o técnico Wagner Lopes começou a mexer no Criciúma, na tentativa de buscar o resultado. O Tigre chegou a levar perigo com Paulo Baier, que aos 18 minutos cobrou falta da entrada da área e viu a bola tocar na trave direita de Weverton e sair para fora. Mas os catarinenses pareciam nervosos e não conseguiam igualar o ímpeto atleticano. Aos 22, Maicon Silva saiu jogando errado e perdeu a bola para Douglas Coutinho, que avançou em direção à área, mas bateu fraco e facilitou a defesa do goleiro Bruno.

Aos 25, Coutinho escorou de cabeça para Éderson, que recebeu dentro da área e chutou muito mal, perdendo mais uma boa oportunidade do Atlético. Logo depois, o camisa 77 fez lindo passe para Marcos Guilherme, que saiu cara-a-cara com Bruno, mas o goleiro levou a melhor.

Melhor em campo, o Rubro-Negro diminuiu um pouco o ritmo, mas não sofria grandes. Aos 31, Maurinho tentou cruzamento e pegou muito mal na bola que passou longe da meta de Weverton. Pouco depois, Bruno Lopes cruzou para Michael, que cabeceou para o gol, mas o goleiro atleticano fez tranquila defesa.

O Atlético passou a prender a bola no campo de ataque, para não correr riscos e tentar marcar o terceiro. O técnico Doriva também aproveitou para fazer alterações e ganhar tempo nos minutos finais da partida. Herói do jogo, Douglas Coutinho saiu no finalzinho, assim como Marcelo, para as entradas de Mosquito e Cléo, respectivamente.

Ao apito final, os jogadores comemoraram muito o excelente resultado, que deixou o Furacão no G4. A festa só não foi completa pela ausência da torcida, que ainda vai ter que aguentar três outros jogos antes de poder transformar a Arena no seu Caldeirão.

%ficha=1057%



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…