31 ago 2014 - 20h24

Atlético joga mal e perde mais uma

O Atlético entrou em campo neste domingo (31) modificado pelo técnico Leandro Ávila, que optou por escalar três volantes e jogar recuado, buscando jogar no erro do adversário. Já o Goiás, passando por péssimo momento sob o comando de Ricardo Drubscky, adotou postura oposta e foi para o ataque, dominando amplamente a partida na primeira etapa.

No entanto, o esquema de Ávila não deu resultado. Sem se encontrar em campo, o Rubro-Negro foi presa fácil para o Esmeraldino, que mandou no jogo na primeira etapa e abriu 2 a 0 no placar. No segundo tempo, com a entrada de Douglas Coutinho, o Furacão até melhorou e conseguiu descontar com Cléo, mas a zaga bobeou novamente e viu Erik matar o jogo ao marcar o terceiro dele e do Goiás aos 38 minutos.

Com a derrota por 3 a 1, o Rubro-Negro perdeu uma posição na tabela e tem agora a pior defesa do Campeonato Brasileiro, ao lado do Criciúma, com 25 gols sofridos em 18 jogos. Confira como foi a partida:

Desorganizado, Atlético leva um passeio do Goiás no primeiro tempo

Tentando furar a retranca armada pelo Furacão, o Esmeraldino buscou as jogadas ofensivas desde o primeiro minuto, quando Valmir Lucas avançou pela direita fez o passe, mas a zaga atleticana afastou. Aos dois, em nova chegada do Goiás pela direita, Natanael fez o corte. Um minuto depois, Samuel entrou pela esquerda e Cleberson tirou mais uma.

Na sequência, em cobrança de falta, Natanael cruzou para a área e o goleiro Renan segurou com tranquilidade. Aos oito, o lateral-esquerda tentou lançar Marcelo, que perdeu a bola. E o primeiro lance perigoso do jogo saiu aos nove minutos, com Léo Veloso. O atacante invadiu a área pela esquerda e bateu forte, mas a bola saiu por sobre a meta de Weverton.

Com o Atlético desorganizado, o Goiás mantinha a posse de bola e só não levava mais perigo por seus próprios erros. Enquanto isso, o Rubro-Negro apostava num contra-ataque que não acontecia. Aos 12, Erik arriscou da esquerda, mas Weverton estava esperto e espalmou. Na sequência da jogada, Davi arriscou de longe, mandando a bola para longe.

Sem efetividade, o Rubro-Negro tentava dar o troco. Aos 15, Paulinho Dias recebeu na área e, não conseguindo prosseguir na jogada, chutou a bola no marcador para obter um escanteio. Aos 18, mais uma vez o Goiás chegou perigosamente ao ataque. Erik rolou para Esquerdinha, que chutou por cima do gol atleticano. Minutos depois, após cobrança de falta da direita, Samuel cabeceou firme, mas no centro do gol, facilitando a defesa de Weverton.

A primeira e única chance de gol do Atlético no primeiro tempo aconteceu somente aos 35 minutos. Natanael cruzou da esquerda para Cléo, mas o atacante rubro-negro cabeceou mal, por cima da meta de Renan. E, de tanto tentar, o Goiás chegou ao gol quatro minutos depois. Aos 39, Erik invadiu a área atleticana pela direita, fintou o zagueiro e chutou de canhota, sem muita força. Tanto os zagueiros quanto o goleiro rubro-negro ficaram só olhando e viram a bola parar no fundo das redes. Goiás 1 a 0.

Atônito, o Atlético mal conseguiu assimilar o primeiro gol e já sofreu o segundo. Aos 42, Erik voltou a marcar. Esquerdinha fez boa jogada e lançou, o atacante invadiu a área com velocidade e tocou no cantinho de Weverton, que nada pode fazer.

Ao final do primeiro tempo, a apatia do time se refletia no semblante dos jogadores, que foram para o vestiário cabisbaixos e sem querer muita conversa.

Entrada de Coutinho melhora o Atlético, mas não evita derrota

Tentando correr atrás do prejuízo, Leandro Ávila resolveu mexer no time para o segundo tempo. O treinador tirou Paulinho Dias para a entrada de Douglas Coutinho. O atacante entrou com vontade e, logo no primeiro minuto, recebeu cruzamento de Marcelo, mas bateu mal. Aos quatro, Coutinho limpou bem o marcador pela esquerda, invadiu a área e bateu cruzado, mas a bola saiu à esquerda da meta de Renan.

Aproveitando a vantagem no placar, o Goiás se mantinha recuado enquanto o Furacão procurava o ataque. Aos seis, Natanael cruzou da esquerda para Otávio, que bateu forte, mas acertou a zaga. Aos dez, em jogada individual, Marcelo chegou pela direita e bateu para o gol, mas o goleiro fez a defesa.

O panorama da etapa inicial se inverteu, com o Esmeraldino recuado e o Rubro-Negro buscando o ataque. Porém, aos 16 minutos, o Goiás conseguiu armar um contra-ataque com Erick, que recebeu toque de letra, invadiu a área pela esquerda e bateu para o gol, exigindo grande defesa de Weverton, que fechou bem o ângulo e evitou um desastre.

Melhor no jogo, o Furacão deu o troco. Logo após o susto, Sueliton fez linda jogada pela direita e cruzou com perfeição para Cléo que, de cabeça, tocou por cima de Renan e descontou para o Rubro-Nergro. Foi o terceiro gol do atacante no Brasileirão.

Com o gol de Cléo, o Atlético se empolgou e insistiu em busca do empate, optando principlamente por bolas levantadas na área, mas não conseguia levar perigo. Já o Goiás levava perigo quando subia ao ataque, tirando proveito da marcação frouxa da defesa rubro-negra. Aos 21, Erik tirou dois marcadores na entrada da área e chutou rasteiro, no canto direito de Weverton, mas a bola saiu pela linha de fundo.

O jogo seguiu com o Atlético buscando o empate, enquanto o Goiás tentava manter o resultado, o que fez com que o jogo ficasse concentrado no meio de campo, sem grandes lances ofensivos de ambas as equipes. Mas, aos 38 minutos, Tiago Mendes avançou pelo meio e tocou para Erik, que entrou como quis por entre a zaga atleticana e matou o jogo, fazendo o hat-trick e dando números finais à partida.

Sem tempo para reagir, o Atlético amargou mais uma derrota e passou a ter a pior defesa do campeonato ao lado do Criciúma, com 25 gols sofridos. O Rubro-Negro não vence há cinco jogos, sendo quatro pelo Brasileirão e um pela Copa do Brasil.

A próxima apresentação do time de Leandro Ávila é na quarta-feira (3), pela Copa do Brasil, contra o América/RN. O Rubro-Negro precisa reverter a vantagem de 3 a 0 do time potiguar para seguir na competição.

%ficha=1065%



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Insanidade

Louva-se o posicionamento do CAP em relação à atitude insana, egoísta e manipuladora do Flamengo, que chegou ao ponto de utilizar-se da peste alcançar seus…