6 set 2014 - 0h47

As muitas caras do nosso Caldeirão

Em cem anos de história, o estádio Joaquim Américo foi palco de grandes momentos do futebol paranaense. Da cancha da “baixada do arrabalde do Água Verde”, fundada por Joaquim Américo Guimarães em 1914, praticamente nada se mantém após dez décadas. A única referência original é o posicionamento do campo, que perdurou durante todo esse tempo.

Mais do que a evolução de engenharia e infraestrutura, a história da Baixada nos mostra momentos especiais do futebol paranaense e brasileiro, com a evolução na forma de torcer e encarar o esporte. Do início romântico e de esporte de elite, à popularização para “a casa do verdadeiro time do povo”, até os tempos atuais.

Confira um resgate histórico de vários momentos da Baixada nesses 100 anos, do primeiro visual em 1914, quando ainda era o campo do Internacional, à moderna Arena de 2014, apontada pela Fifa como o melhor estádio da Copa do Mundo de 2014.

Baixada do Água Verde foi inaugurada em setembro de 1914 [foto: divulgação]


Foto de 1958 mostra em primeiro plano a Avenida Getúlio Vargas, na esquerda a praça Afonso Botelho [foto: coluna Nostalgia, da Gazeta do Povo]


Reconstrução do estádio Joaquim Américo em 1967 [foto: divulgação]


Em 1989, Baixada era fechada ao público [foto: arquivo/Gazeta do Povo]


Em 1994, Baixara era reinaugurada [foto: arquivo/Gazeta do Povo]


Fachada da Baixada em 1994 [foto: divulgação]


Em 1999, clube inaugurava a primeira Arena do futebol brasileiro [foto: divulgação]


Arena teve o primeiro contrato de naming rights do futebol brasileiro [foto: divulgação]


Em 2010, clube inaugurou setor Brasílio Itiberê [foto: divulgação]


Em 2011, Arena fechou para o público para iniciar a obra de ampliação e reforma para a Copa do Mundo [foto: site oficial]


Primeiro jogo da Copa do Mundo na Arena da Baixada, em 2014 [foto: FURACAO.COM]



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Time voando baixo

Foi um “Passeio”, o time comandado por Eduardo Barros, deu aula… Os meninos Christian e Erick, comando meio de campo, Wellington o “maestro” regendo a…

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…