26 fev 2015 - 21h54

Pior que o juvenil: titular perde para o Foz na Baixada

Com o time principal, o Furacão perdeu para o Foz do Iguaçu, por 1 a 0, na noite desta quinta-feira, na Arena da Baixada, pela sexta rodada do estadual. O zagueiro Wesley marcou o único gol do jogo. No final, a torcida protestou, gritando "time sem vergonha", "queremos jogador" e "o principal é pior que o juvenil".

Com a derrota, o Atlético foi ultrapassado pelo próprio Foz e caiu para a nona posição, com sete pontos. O próximo desafio será contra o JMalucelli, dia 7, sábado, às 18h30, mais uma vez na Baixada. Ainda não há a definição se o clube usará os titulares ou o sub-23.

O Furacão versão 2015 tinha duas principais novidades em relação à equipe do ano passado: Daniel Borges, contratado para a vaga de Sueliton (hoje no Joinville), e Edigar Junio, que retornou de empréstimo justamente do JEC. Além deles, Rafael Zuchi formou a dupla de zaga ao lado de Gustavo, pois Cleberson está lesionado.

Atlético não supera retranca

O Atlético começou a partida jogando diferente. Sem os chutões e bolas alçadas na área, o Rubro-Negro tocava passes em busca de abrir o placar, mas pouco finalizava. O Foz jogou fechado, assim como técnico Claudinei Oliveira previa.

O time do Oeste apostava nos contra-ataques e nas bolas paradas. E foi assim que ele abriu o placar. Após escanteio, aos 27 minutos, o zagueiro Wesley cabeceou sem chances para Weverton, 1 a 0. Depois, o Furacão teve chances de empatar, com Deivid arriscando de fora, e com Dellatorre, de bicicleta, após rebote do goleiro Edson Bastos. Mas o time foi para o vestiário em desvantagem.

Para o segundo tempo, o Atlético voltou com a mesma postura, mas parava na marcação do Foz. Claudinei Oliveira, então, colocou Marcos Guilherme e Nathan para tentar dar novo gás ao time – Dellatorre e Paulinho Dias saíram. O time até cresceu de produção, mas não conseguia finalizar. Nikão também entrou no lugar do Bady.

O Atlético abusou das jogadas pelos lados, com Daniel Borges e Edigar Junio pela direita e Natanael, Marcos Guilherme e Nathan pela esquerda. Porém, quando a bola chega na área, Cléo era anulado pela marcação. O Foz, que valorizava cada segundo, pedindo atendimento médico em vários momentos, conseguiu segurar o resultado e irritou a torcida.

%ficha=1092%



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…