2 abr 2015 - 18h40

A tampa do Caldeirão está pronta!

O teto retrátil da Arena da Baixada está pronto. Em coletiva realizada na manhã desta quinta-feira (2), na estádio, a CAP S/A e a empresa espanhola Lanik, responsável pelo funcionamento da estrutura, anunciaram à imprensa a conclusão da obra.

A previsão era de que o teto estivesse pronto para a Copa do Mundo, mas as obras não iniciaram a tempo. Cinco meses desde o início da obra, que teve vários impasses, o clube entregou o teto retrátil, mas sem os valores totais divulgados – que não estão dentro dos R$ 346,2 milhões divulgados pelo Tribunal de Contas do Estado.

A Arena da Baixada tornou-se o primeiro estádio da América Latina a possuir o sistema retrátil em seu teto. A operação de fechamento dura 25 minutos, e ela poderá acontecer durante as partidas, caso chova. O desafio do Rubro- Negro, agora, é trazer eventos de grande porte para suprir o valor gasto na obra.

"A obra por si só representa a grandiosidade do nosso projeto. Marcamos mais uma etapa da caminhada deste clube. Hoje, o nosso estádio está projetado e construído realmente para multieventos. Não só megaeventos, que o Teto Retrátil possibilitará, mas também toda a sua estrutura", afirmou Mario Celso Petraglia, presidente do Conselho Administrativo do Atlético Paranaense.

Apesar da conclusão do teto retrátil, Petraglia reconhece que a Arena da Baixada ainda não está completa. Muitos reparos e acabamentos precisam ser terminados.

“Muitas instalações e detalhes ficaram incompletos. O setor de imprensa, por exemplo, ainda está sem vidro e inacabado, assim como outras partes do estádio. Tivemos algumas dificuldades com o Corpo de Bombeiros para conseguir a liberação do laudo de segurança, e eles exigiram mudanças. Ou seja, nós ainda estamos completando nosso estádio em nível de detalhes”, disse.

O presidente ainda falou sobre o gramado sintético, que, por enquanto, não está em análise no clube. “O gramado não está em cogitação, nós vamos fazer alguns estudos. Não temos tempo hábil, e o calendário de 2015 não permite a gente pensar nisso. Mas veremos como nosso gramado reage com o sombreamento e se realmente será necessária no futuro a instalação do gramado sintético”, completou.

O fechamento do teto retrátil poderá acontecer já no confronto contra o Prudentópolis, no próximo domingo (5), pelo Torneio da morte, caso tenha previsão de chuva em Curitiba. Porém, não há data marcada para inauguração do Teto Retrátil. O fechamento completo do teto retrátil leva 25 minutos.

"Estamos buscando um grande evento para fazer esta apresentação para todos. Mas a abertura e fechamento, se houver chuva durante uma partida, a torcida verá", finalizou o presidente.

Confira o funcionamento do teto retrátil da Arena da Baixada:



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…