18 abr 2015 - 20h22

Indescritível…

A rotina se repetiu na noite deste sábado (18), na Arena da Baixada. O Atlético voltou a jogar um futebol medíocre e foi massacrado pelo Rio Branco, que ainda não tinha vencido um único jogo no "Torneio da Morte", diante de sua incrédula torcida.

Depois de sofrer 3 a 0 ao natural no primeiro tempo, o time de Enderson Moreira pouco fez na segunda etapa e só conseguiu o gol de honra com Felipe, numa cobrança de pênalti, a poucos minutos do final da partida. Em mais uma tarde nebulosa (apesar do teto retrátil), a torcida atleticana não se conteve e protestou novamente, cobrando atitude da diretoria, dos jogadores de do técnico. Veja como foi:

Três a zero, fora o baile na primeira etapa

O jogo comecçou com o Atlético tentando manter a possa de bola e trocando passes, mas sem qualquer efetividade. E logo aos dois minutos de jogo ficou claro o nervosismo da equipe de Enderson Moreira: Lula tentou recuar de cabeça para Weverton e quase deu uma assistência para o atacante adversário. Sorte que o goleiro atleticano estava atento e evitou o desastre.

Nos minutos seguintes, o Rio Branco foi muito mais incisivo que o Rubro-Negro, que nenhum perigo levava à meta de Enderson (o goleiro). Aos nove, Roger Guerreiro cobrou falta, Lula afastou e Marco Túlio quase aproveitou o rebote, mas foi marcado impedimento. Aos 14, novamente o ataque do Leão da Estrainha foi flagrado em situação irregular. Mas, logo depois, Paulo Henrique disparou pela esquerda e cruzou rasteiro para Bruno Andrade, que bateu no ângulo de Weverton para abrir o placar na Arena.

Sem conseguir reagir, dez minutos depois o Furacão voltou a ser castigado. Aos 29, Marquinhos chegou pela esquerda e tocou para Roger, que chutou a bola na trave. No placar, Josi (que tinha acabado de entrar no lugar do machucado Henrique) ampliou a vantagem da equipe parnanguara.

Com o 2 a 0 no placar, a torcida começou a protestar das arquibancadas, mas não adiantou. Aos 41, Gustavo Marmentini fez pênalti em Marco Túlio e, na cobrança, Roger Guerreiro fez mais um para o Rio Branco, causando a indignação da massa rubro-negra.

Sob pressão, Furacão não consegue reagir

Na segunda etapa, o clima na Arena da Baixada era melancólico. Os protestos não pararam desde que a equipe foi para os vestiários e permaneceram depois que os jogadores voltaram ao campo. Sem conseguir criar boas jogadas ofensivas, e com o adversário tranquilo por conta da vantagem elástica conquistada na primeira etapa, a torcida perdeu o interesse pelo jogo.

Tanto é que, por volta dos 30 minutos, dois garotos começaram a bater bola no meio da torcida organizada e atraíram os olhares de todos os presentes na Arena. Inconformada, a torcida gritava: "Não é mole, não! A criancinha joga mais que o Furacão."

O gol de honra do Atlético saiu apenas no final da partida, de pênalti. Felipe bateu forte e o zagueiro meteu a mão na bola. O árbitro não teve dúvida ao assinalar a penalidade, convertida pelo mesmo Felipe que, com categoria, bateu no canto esquerdo do goleiro do Rio Branco.

Mas não havia mais tempo para qualquer reação. Ao apito final, o time saiu de campo novamente vaiado por uma torcida que não aguenta mais tanta humilhação.

Tentando se livrar do rebaixamento no Estadual, o Atlético entra em campo no próximo domingo, às 18h30, contra o Prudentópolis.

%ficha=1103%



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…