2 ago 2015 - 12h58

Beijo do gordo!

Jogando fora de casa e sob pressão de quase 40 mil torcedores que compareceram nesta manhã de domingo (2) ao Allianz Parque, o Atlético "fez uma graça" e venceu o Palmeiras, obtendo a terceira vitória consecutiva, a segunda seguida fora de casa, com gol de Walter.

O Rubro-Negro não se intimidou diante da badalada equipe alviverde e fez um jogo seguro, sem sofrer riscos e equilibrando todas as ações. Ao final, brilhou a estrela de Walter que, voltando de contusão, substituiu Crysan e marcou o gol da vitória, aos 30 minutos da etapa final.

O primeiro tempo começou movimentado. O Palmeiras, com o apoio de sua torcida, procurava pressionar, enquanto o Atlético apostava em transições rápidas da defesa para o ataque. E foi o Rubro-Negro quem chegou com perigo primeiro. Em uma jogada de contra-ataque, aos nove minutos, Crysan apareceu livre pelo lado direito e bateu rasteiro, com força, exigindo boa defesa da Fernando Prass, que espalmou para a linha de fundo. Pouco tempo depois, aos 15, o Furacão teve mais uma chance, com Marcos Guilherme. O meio-campista disparou pelo lado esquerdo do campo e cortou para o meio, chutando de meia distância, para nova defesa de Prass. Na metade final da primeira etapa, o jogo esfriou e as equipes se concentraram na marcação, mantendo tudo equilibrado. Logo no final, aos 45 minutos, Robinho assustou em uma cobrança de falta, que passou à direita da meta de Weverton.

No segundo tempo, o Palmeiras voltou ligado e, logo aos seis minutos, levou perigo com Kelvin, que fez boa jogada individual pela direita. Aos 14 minutos, Walter entrou no lugar de Crysan e mudou a história do jogo. Com o camisa 18 em campo, o Rubro-Negro melhorou bastante na partida e passou a ser superior ao Porco. Aos 26 minutos, Nikão recebeu bola de Walter na esquerda, cruzou para a área e o próprio Walter quase marcou, mas estava em posição de impedimento. Já aos 29, Otávio ganhou dividida no meio de campo e bateu de média distância, com efeito, para boa defesa de Fernando Prass, que espalmou para a linha de fundo. Na cobrança do escanteio, Nikão bateu para o meio da área, o lateral Lucas, do Palmeiras, escorou para trás e a bola sobrou limpa para Walter que, livre de marcação, completou de pé esquerdo para o fundo das redes, aos 30 minutos da etapa final. Depois do gol, o Palmeiras tentou pressionar, mas esbarrou na boa marcação do Furacão, que conquistou sua terceira vitória consecutiva no Campeonato Brasileiro, a segunda seguida fora de casa.

Com o resultado, o Atlético chegou aos 28 pontos no Brasileirão e ultrapassou o próprio Palmeiras, que tem o mesmo número de pontos, mas menor número vitórias. Além disso, o time de Milton Mendes alcançou a 4ª posição na tabela e agora torce por um tropeço do Sport para permanecer no G4. O Sport, aliás, é o adversário do próximo domingo (9), na Arena da Baixada. Confronto direto que pode garantir o Furacão entre os líderes da competição.

O GORDINHO RESOLVE
O grande destaque da partida foi o atacante Walter. Voltando de contusão, o camisa 18 marcou o gol da vitória rubro-negra e foi fundamental para que o Furacão se recuperasse na segunda etapa. Ele segurou bem a bola no ataque e ainda ajudou na organização do meio de campo.

O PORCO ATOLOU
Novo queridinho da imprensa do eixo, o time do Palmeiras vinha encantando com um bom futebol nas últimas rodadas e mantinha uma grande invencibilidade, entrando como grande favorito na partida contra o Furacão. Mas o alviverde paulista pouco mostrou durante todo o jogo, tendo suas ações anuladas pelo bom sistema defensivo do Atlético.

O GOL
0x1 – 30’/2º: Walter – O atacante xodó da torcida atleticana marcou o único gol da partida. Em cobrança de escanteio de Nikão, Lucas, do Palmeiras, afastou mal e a bola sobrou para o camisa 18, que completou para o fundo das redes.

PRÓXIMOS JOGOS: Sport (casa), Flamengo (fora) e Santos (casa).

%ficha=1123%



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…