23 ago 2015 - 17h53

Jogo de um time só!

Há três jogos sem vencer no Campeonato Brasileiro, o Atlético entrou em campo neste domingo (23) buscando a reabilitação contra o Internacional, em Porto Alegre. Mas, contrariando o discurso de que o Rubro-Negro não priorizaria a Sul-Americana, Milton Mendes promoveu várias mudanças na equipe titular e o time simplesmente não se encontrou, sendo presa fácil para o Colorado, que não teve dificuldade alguma para fazer 2 a 0. E poderia ter sido pior.

Aproveitando a desorganização do Atlético, o Inter foi para cima e conseguiu abrir o placar logo aos três minutos de jogo, com Valdívia. Ele recebeu lançamento de D’Alessandro numa cobrança de falta do meio de campo, cortou o marcador e bateu no canto esquerdo de Weverton para marcar o primeiro gol da partida. Sem poder de reação, o Rubro-Negro ainda sofreu com inúmeras chegadas perigosas do Colorado, que só não ampliou a vantagem na primeira etapa graças a boas defesas do goleiro atleticano. O primeiro chute a gol do Furacão aconteceu somente aos 41 minutos, quando Bruno Mota arriscou de longe, sem nenhuma força, facilitando a defesa de Alisson. Já nos acréscimos, Cléo ajeitou para Nikão, que bateu forte, mas a bola saiu por sobre a meta.

Para a etapa final, Milton Mendes colocou Marcos Guilherme no lugar de Bruno Mota, tentando acertar a meia cancha. Nada mudou. O Internacional continuava dominando a partida e, aos seis minutos, Kadu fez pênalti em Vitinho. D’Alessandro cobrou e Weverton voou no canto direito para espalmar. Mas se o que se esperava era uma injeção de ânimo no Rubro-Negro após a defesa, não foi o que aconteceu. Nem mesmo a entrada de Walter no lugar de Bruno Pereirinha foi capaz de melhorar o desempenho da equipe, que continuava sendo bombardeada pelo ataque colorado. Dominando amplamente a partida e criando boas chances, o Inter meteu uma bola na trave aos 23 minutos e se o gol era uma questão de tempo, aconteceu logo depois. Aos 24, em cobrança de escanteio, Paulão aproveitou a sobra e fuzilou, mandando a bola para o fundo das redes e dando números finais ao marcador.

SALVADOR: Weverton teve muito trabalho para evitar uma goleada no Beira-Rio. Com várias defesas importantes e um pênalti defendido, foi quem conseguiu se destacar no time do Atlético.

TUDO ERRADO: Milton Mendes, desta vez, foi muito mal. Escalou um time bem diferente do que vinha jogando e seus escolhidos não renderam nada. Nas trocas foi ainda pior e relembrou os tempos de Carrasco ao colocar Marcos Guilherme de lateral-direita.

BONDE: Cléo foi titular e permaneceu em campo durante os 90 minutos sem fazer rigorosamente nada. Com mais uma atuação pífia, fica difícil explicar a opção do técnico por ele.

OS GOLS:
1×0 – 3’/1º: Valdívia – D’Alessandro aproveitou a sonolência da defesa atleticana e, numa cobrança de falta quase no meio de campo, cruzou para Valdívia que recebeu dentro da área, cortou o marcador e tocou no canto de Weverton.
2×0 – 24’/2º: Paulão – Em cobrança de escanteio, D’Alessandro cruzou para a área, Rodrigo Dourado desviou de cabeça e a bola sobrou para Paulão, que entrou sozinho por trás da zaga e ficou livre para marcar.

PRÓXIMOS JOGOS: Joinville (casa), Goiás (casa) e Atlético-MG (fora).

%ficha=1128%



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…

Fala, Atleticano

Foi épico

Assim, como o jogo de Santiago contra a Universidad Católica, estará para sempre na memória de qualquer atlheticano… O que aconteceu ontem na Bolívia, também..…