30 ago 2015 - 9h11

Em busca de regularidade

O Atlético tem, diante do Goiás, na próxima partida do Campeonato Brasileiro, a oportunidade de voltar a vencer e se aproximar do G4 no Brasileirão. A campanha do Furacão, no entanto, tem sido marcada pela irregularidade, com alternância de sequências positivas e negativas, o que tem impedido o Rubro-Negro de se consolidar nas primeiras colocações do campeonato.

Na oitava colocação com 30 pontos, o Furacão tem nove vitórias, oito derrotas e três empates no Brasileirão, com aproveitamento geral de 50%. Vale lembrar, que nas últimas nove edições do Campeonato Brasileiro, desde 2006, todas as equipes que alcançaram o G4 obtiveram mais de 60 pontos ao término da competição, como o próprio Atlético, que fez 64 pontos em 2013.

MONTANHA RUSSA RUBRO-NEGRA

Logos nas primeiras seis rodadas, o Atlético teve uma sequência positiva, que colocou o time na liderança do torneio. O Furacão venceu cinco das seis partidas, e obteve um aproveitamento de 83,33%.

Já a partir da sétima rodada, o Rubro-Negro teve uma sequência negativa, que deixou a equipe na oitava colocação até a 13ª rodada. Nesse período, o Atlético acumulou um empate, cinco derrotas e apenas uma vitória, um aproveitamento de 19,04%.

Mesmo assim, o Rubro-Negro voltou a figurar no topo da tabela nas rodadas seguintes. A equipe venceu três jogos seguidos, contra Chapecoense, Avaí e Palmeiras, sendo os dois últimos fora de casa.

A reação, no entanto, parou por aí, e o Atlético amargou mais um período de jejum. Da 17ª rodada até a 20ª rodada, o Furacão somou dois empates dentro de casa e duas derrotas fora de casa, com um aproveitamento de 16,66%.
Agora, o Furacão está há apenas três pontos do Fluminense, que é a primeira equipe no G4, com 33 pontos. O jogo contra o Goiás, válido pela 21ª rodada, está marcado para domingo (30), às 18:30 horas, na Arena da Baixada.



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Time voando baixo

Foi um “Passeio”, o time comandado por Eduardo Barros, deu aula… Os meninos Christian e Erick, comando meio de campo, Wellington o “maestro” regendo a…

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…