24 set 2015 - 0h00

Prioridade, pero no mucho

Na noite desta quarta-feira, 23, o Atlético recebeu o Brasília no primeiro jogo das oitavas de final da Copa Sul-Americana. Apesar da vitória por 1 a 0, o Rubro-negro não convenceu e o que mais chamou a atenção dos torcedores presentes à Arena da Baixada, e até mesmo àqueles que assistiram ao jogo pela televisão, foi o péssimo estado do gramado.

O jogo começou com protesto da torcida, que gritava os nomes dos jogadores campões brasileiros em 2001, além do técnico daquela ocasião, Geninho. Sem muitas chances para abrir o placar, a torcida atleticana via um Furacão por muitas vezes apático em campo, criando oportunidades que passavam longe de serem grandes chances de gol.

A melhor chance, inclusive, saiu do adversário. Aos 22 minutos, o Brasília colocou o goleiro Wéverton para trabalhar. Após cruzamento de Paulo Santos, Giba cabeceou forte e o arqueiro atleticano salvou o Atlético de levar o primeiro gol. A grande chance rubro-negra aconteceu pouco depois, quando Marcos Guilherme recebeu de Crysan e tocou por cobertura, mas a bola saiu alta demais.

No finalzinho do primeiro tempo, o goleiro Artur, do Brasília, chocou-se com seu companheiro de equipe e precisou ser substituído. No intervalo, o Furacão foi para o vestiário sob gritos de “vergonha”. Quando a bola rolou para a segunda etapa, o Atlético mostrou um pouco mais de objetividade. Aos 13 minutos, Marcos Guilherme arriscou de longe e a bola passou perto, assustando o Welder, que mandou para escanteio.

E, aos 17 minutos, as tentativas do Atlético se transformaram em gol. Após rebote do goleiro adversário, Daniel Hernández completou para marcar o único gol do jogo. O Rubro-negro ainda teve mais uma chance de ampliar, com Crysan, mas a tensão do final do jogo ficou por conta de um lance que precisou de atendimento da ambulância. Em uma dividida com Weverton, Victor Hugo ficou caído no gramado e precisou ser removido.

Com a vitória simples desta quarta-feira, o Atlético precisa apenas de um empate no jogo de volta para seguir na competição.

%ficha=1137%



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Time voando baixo

Foi um “Passeio”, o time comandado por Eduardo Barros, deu aula… Os meninos Christian e Erick, comando meio de campo, Wellington o “maestro” regendo a…

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…