4 out 2015 - 21h16

Cristóvão teve relação conturbada com Walter no Flu

O novo técnico do Atlético, Cristóvão Borges, reencontrará no clube o atacante Walter, com quem trabalhou no Fluminense ano passado e início deste, numa relação bastante conturbada.

Quando estava à frente do Tricolor carioca, Borges chegou a afastar o atacante do time e reclamava com frequência, em entrevistas, do sobrepeso do jogador. Segundo os bastidores da imprensa carioca, as constantes críticas do técnico a Walter foram, inclusive, pivô para sua saída do clube, acertando com o Furacão em abril deste ano.

Acostumado a se manifestar nas redes sociais sobre questões referentes ao clube, Walter ainda não se pronunciou sobre a chegada de Borges ao Furacão – quando Milton Mendes foi demitido, por exemplo, o atacante foi um dos primeiros a comentar, agradecendo o técnico, com quem tinha uma excelente relação (leia: Nas redes sociais, jogadores lamentam saída de Mendes).

Passado conturbado

Quando estavam no Fluminense, Cristóvão Borges e Walter chegaram a trocar palavras mais duras pela imprensa. Ano passado, o jogador reclamou publicamente por não ser usado nos jogos do Fluminense. “O treinador tinha mais uma substituição e não usou. Saio daqui muito p…”, disse após o jogo contra o Palmeiras, na segunda rodada do Brasileirão (Confira a reportagem do Lance! na época).

Meses depois, após a Copa do Mundo quando chegou a se firmar no time titular no lugar de Fred, que servia a seleção, o jogador mais uma vez reclamou publicamente por não ser utilizado no time. “Se eu falar, vou falar m…”, disparou Walter, após o empate com o Atlético-MG (confira a matéria).

No início deste ano, o técnico Cristóvão Borges fez duras críticas ao peso elevado do jogador após as férias, na reapresentação para a pré-temporada no Fluminense. “Ele tem dificuldade, isso é da vida dele, com o peso. Em todos os clubes que trabalha. Ano passado, quando Fred foi para Copa, jogou. Pelo recesso, demos uma folga e, nessa folga, para ele não foi bom. Voltou acima e não teve a mesma performance. Perdeu espaço e saiu do time. É uma constante dele. Férias de um mês, veio, é visível, acima do peso. Terá de trabalhar bastante para recuperar as condições. Não fiquei chateado, aqui não é colégio, cada um sabe da sua responsabilidade. Comigo é rendimento. Rendeu, joga”, disse o técnico na época (leia a reportagem).

Agora no Furacão, Borges e Walter têm a oportunidade para uma reconciliação. O camisa 18 é o principal artilheiro do Atlético no Brasileirão, com 7 gols, e uma das esperanças da torcida para o time reencontrar as vitórias, no Brasileiro e na Sul-Americana.



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Insanidade

Louva-se o posicionamento do CAP em relação à atitude insana, egoísta e manipuladora do Flamengo, que chegou ao ponto de utilizar-se da peste alcançar seus…

Camisa preta edição especial.

Opinião

Viva a revolução!

Eu sou corneta. Confesso! Se o time vai mal, sou o primeiro a reclamar. Se o time vai bem, tem que melhorar. Se ganhou de…

Notícias

A evolução do Athletico

É inegável a evolução do rubro-negro. Desde a mudança no comando técnico, o Furacão vem evoluindo a cada jogo. Atualmente acumula quatro vitórias consecutivas. Além…