6 out 2015 - 9h11

A visita de um ídolo

De passagem por Curitiba em virtude do lançamento de seu livro "Pepe, o canhão da Vila", o lendário José Macia, mais conhecido como Pepe, não pode deixar de dar o "ar de sua graça" na nova e reformada Arena da Baixada, palco de tantas lembranças e alegrias que o ex-jogador das quais pode fazer parte.

E como não poderia ser diferente, a visita do ilustríssimo ex-jogador santista foi cercada de muita emoção e alegria. "O coração bateu mais forte. Quando pisei no gramado, comecei a lembrar dos momentos que passei aqui. Foram momentos felizes e agradáveis. Já são 20 anos, mas é uma felicidade estar aqui novamente", disse Pepe.

Pepe foi técnico do Furacão na conquista do Campeonato Brasileiro da Série B de 1995, que contava com um time que marcou história no clube e que levou o Rubro-Negro novamente à elite do futebol brasileiro. Desses momentos o técnico também recordou com muita felicidade e alegria: "Eu sou um predestinado, tenho muitos títulos na minha carreira, são 40 títulos como jogador e treinador. Mas esse ano de 1995 foi inesquecível. No primeiro coletivo que fizemos, vi que tínhamos um time muito forte. E saímos ganhando de todo mundo", recordou.

Durante o ano de 1995, Pepe comandou o Rubro-Negro por 14 partidas, conquistando 11 vitórias, 2 empates e apenas uma derrota. A conquista de 1995 foi o primeiro título nacional do Atlético Paranaense.

O carinho do torcedor atleticano com o bicampeão mundial é tão grande que em um Atletiba dentro do Couto Pereira, Pepe, então técnico do Coritiba, passou por uma situação um tanto quanto curiosa: "Eu entrei no campo e ouvi a torcida gritando: ‘olê, olê, olê, olê, Pepe, Pepe’. Achei que era a torcida do Coritiba, mas era o torcedor do Atlético, reconhecendo o trabalho que eu havia feito no ano anterior. Isso foi especial", relembrou.

O título de 1995, além de levar novamente o Furacão à elite nacional, fez parte também de um salto indiscutível na evolução do clube como um todo.

"Eu sabia que o Clube Atlético Paranaense tinha um poderio muito grande, com uma torcida realmente fabulosa. Víamos que era um time que teria um progresso dentro e fora do campo", enfatizou Pepe.

"Fiquei surpreso de ver esse estádio novo, maravilhoso. Gostaria de trabalhar um pouquinho aqui, sentando no banco, para relembrar os momentos que vivi no Atlético", finalizou o ex-comandante rubro-negro.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…