24 out 2015 - 18h58

Vitória com W maiúsculo!

Em tempos distintos, o Atlético colocou fim à má fase e venceu o Fluminense por 1 a 0 na tarde deste sábado (24), no Maracanã, pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro. Weverton fechou o gol e Walter garantiu a vitória com um gol de cabeça.

Com o resultado, o Rubro-Negro subiu para a 11ª posição, com 42 pontos. O Fluminense permanece na 13ª posição, com 40 pontos. Na próxima rodada, o Furacão visita a Chapecoense, às 17h de domingo (01).

O Atlético criou pouco no primeiro tempo. A equipe não conseguia ficar com a bola nos pés. O Furacão só levou perigo em um chute de fora da área de Otávio, que desviou na zaga do Fluminense e assustou o goleiro Diego Cavalieri. Já o time carioca investia, principalmente, pela lateral esquerda e levou perigo em vários momentos. Weverton foi quem salvou o time em quatro oportunidades claras: nos chutes de Osvaldo, Vinicius e Gustavo Scarpa.

Se na etapa inicial, o Furacão não jogou. No segundo tempo, o domínio foi todo do Atlético. Com a entrada de Hernani no lugar de Bruno Mota, o técnico Cristóvão Borges conseguiu fazer o time dominar o meio campo e, aos 14 minutos, o Rubro-Negro marcou. Após cruzamento de Marcos Guilherme da esquerda, Walter cabeceou livre na pequena área. O Fluminense sentiu o gol e não conseguiu mais jogar. O Furacão aproveitou e deu fim à má fase de nove jogos sem vitória.

CRAQUE: Weverton foi o destaque da partida. No primeiro tempo fez quatro defesas difíceis. No segundo, mais duas. As defesas deram moral para o time.

APAGADO: Gum, do Fluminense. Deixou o Walter livre para cabecear na área e marcar o gol da vitória do Atlético.

TCHAU, MÁ FASE: Com o resultado, o time quebrou o jejum de nove jogos sem vitória e subiu para a 11ª posição na classificação.

O GOL
0X1 – 14’/2º: WALTER – Marcos Guilherme cruzou na medida para Walter que, livre na pequena área, cabeceou no canto esquerdo de Diego Cavalieri.

PRÓXIMOS JOGOS: Sportivo Luqueño (fora), Chapecoense (fora) e Avaí (casa).

%ficha=1144%



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…