16 abr 2016 - 18h20

Vantagem e bom futebol

Na disputa por uma vaga na final do Campeonato Paranaense, Atlético e Paraná Clube entraram em campo neste sábado (16), na Arena da Baixada. E com uma apresentação segura e convincente, o Furacão largou na frente. Com gols de Nikão e André Lima, o time de Paulo Autuori venceu por 2 a 1, sendo muito superior ao de Claudinei Oliveira e só não goleando graças às boas defesas do goleiro Marcos.

Desde o começo da partida, o Atlético demonstrou muita determinação. Logo aos 3’/1º, em cobrança de falta, Walter exigiu boa defesa de Marcos ao arriscar o chute rasteiro. Pressionando, o Rubro-Negro continuou arrematando muito e conseguindo vários escanteios. Aos 19’/1º, novamente o goleiro paranista conseguiu interceptar o ataque atleticano, mas aos 21’/1º, não teve jeito. Nikão conduziu a bola na intermediária direita, ajeitou e mandou uma bomba no ângulo de Marcos, marcando um golaço para encerrar jejum de quase oito meses.

Mesmo com o gol, o Furacão seguiu pressionando e quase ampliou aos 32’/1º, com Otávio que, ao pegar a sobra na entrada da área, bateu firme, mas viu a bola sair à esquerda da meta adversária. E no minuto seguinte, Eduardo derrubou Robson na área e o árbitro marcou pênalti para o Tricolor. Na cobrança, Lúcio Flávio empatou a partida, resultado que não refletia o que se via em campo. Tanto que, ainda no primeiro tempo, o Atlético teve chance de marcar novamente. Aos 41’/1º, Nikão recebeu de Vincícius e tentou encobrir Marcos, mas a bola bateu na rede pelo lado de fora. O Rubro-Negro ainda reclamou de um pênalti em Nikão no final da etapa inicial.

Para o segundo tempo, o Furacão voltou com o mesmo ímpeto ofensivo. No primeiro minuto, Vinícius recebeu de Jadson e chutou forte, exigindo mais uma boa defesa de Marcos. Aos 3’/2º, mais uma vez o goleiro tricolor evitou o gol atleticano. Depois, com a entrada de Marcos Guilherme no lugar de Ewandro, o Rubro-Negro passou a explorar mais as jogadas de velocidade e seguiu pressionando. Aos 17’/2º, o camisa 10 fez bela jogada pela esquerda e bateu cruzado, vendo a bola passar caprichosamente por toda a pequena área e sair à esquerda da meta de Marcos.

E a história do jogo se definiu aos 22’/2º. Um minuto depois de entrar em campo, no lugar de Vinícius, o atacante André Lima recebeu passe na direita, invadiu a área e bateu no canto direito de Marcos, marcando o gol da vitória atleticana na Arena. O camisa 99 ainda teve a oportunidade de ampliar, aos 27’/2º, quando aproveitou a sobra dentro da área e bateu para o gol, mas Alisson conseguiu tirar de cabeça. Aos 28’/2º, Walter cabeceou e Marcos fez mais um milagre, evitando o terceiro gol do Furacão.

Sem correr quaisquer riscos, o Atlético seguiu pressionando até o fim em uma de suas melhores apresentações na temporada. Com a vitória, o time de Paulo Autuori garantiu a vantagem do empate no jogo de volta, que ocorre no próximo domingo (24), na Vila Capanema. Antes disso, o Furacão volta as atenções à decisão da Primeira Liga, na quarta (20), contra o Fluminense.

MILAGROSO MARCOS: O goleiro paranista foi, sem dúvida, o melhor em campo. Não fossem as suas grandes defesas, o Furacão poderia ter garantido um placar bem mais elásitico no Joaquim Américo.

FIM DE JEJUM E HOMENAGEM: Nikão voltou a marcar depois de quase oito meses. E que golaço! O camisa 11 abriu o caminho para a vitória rubro-negra e aproveitou para homenagear o filho que está por vir.

OS GOLS:

1×0 – 21’/1º: Nikão – O atacante aproveitou a sobra na intermediária, ajeitou a bola e bateu firme, de canhota, acertando o ângulo do goleiro Marcos para marcar um golaço e abrir o placar na Arena.

1×1 – 35’/1º: Lúcio Flávio – Em cobrança de pênalti, paranista bate forte e não dá chances para Weverton, igualando o marcador na Baixada.

2×1 – 22’/2º: André Lima – Logo depois de entrar em campo, camisa 99 recebeu passe na direita, invadiu a área e bateu no canto do goleiro paranista, marcando o gol da vitória rubro-negra.

PRÓXIMOS JOGOS: Fluminense (fora / Primeira Liga); Paraná (fora / Primeira Liga).

%ficha=1172%



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Time voando baixo

Foi um “Passeio”, o time comandado por Eduardo Barros, deu aula… Os meninos Christian e Erick, comando meio de campo, Wellington o “maestro” regendo a…

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…