3 maio 2016 - 10h25

Somoggi: É "sacanagem comparar" dupla Atletiba nas finanças

Não é novidade para ninguém que o Atlético adquiriu, nos últimos anos, o status de referência em termos de gestão financeira. Em que pese a escassez de títulos, é inegável que o Furacão avançou muito no aspecto patrimonial e se consolidou como um dos grandes clubes do futebol brasileiro.

A realidade atleticana, porém, é bastante diversa da que vive a maioria dos clubes do país, inclusive o arquirrival Coritiba. A diferença entre a situação financeira dos dois é tão grande que sequer pode ser comparada, como destaca o especialista em marketing e gestão esportiva Amir Somoggi em reportagem veiculada na Gazeta do Povo:

"O Atlético é referência de administração para o Brasil. Com todo respeito, é até sacanagem comparar com o Coritiba", diz Amir.

De fato, após a divulgação dos balanços financeiros da dupla Atletiba, constata-se um enorme abismo entre os clubes.

No que diz respeito à receita total, por exemplo, o Rubro-Negro recebeu R$ 158 milhões no ano passado, ou R$ 72,3 milhões a mais que o alviverde (que arrecadou R$ 85,7 milhões). De acordo com a matéria, a principal fonte de receita para o Atlético foi a venda de jogadores (como Ederson, Douglas Coutinho, Marcelo e Nathan).

O Furacão também gastou bem mais que o Coritiba com futebol: R$ 107,5 milhões, contra R$ 54,7 milhões. Apesar disso, o Rubro-Negro teve superávit de R$ 45,8 milhões, enquanto o Coritiba apresentou déficit de R$ 16,5 milhões em 2015.

É bem verdade que o alviverde tem uma dívida total um pouco inferior à do Atlético (R$ 226 milhões, contra R$ 248 milhões). Mas, para Somoggi, esse número é enganoso:

"A dívida do Atlético é só relacionada à Arena, é uma situação mais favorável. Já o Coritiba, por exemplo, fez R$ 47 milhões em empréstimos em bancos e não é para investimento, são custos do dia a dia", explica.

O único fator destacado pelo especialista como favorável ao Coritiba na disputa contra o Atlético corrobora uma antiga reclamação de Mario Celso Petraglia. A arrecadação do alviverde com o plano de sócios foi de R$ 22 milhões, ao passo que a do Furacão foi de R$ 25 milhões.

"São valores muito parecidos para produtos muito diferentes. O Coxa tem uma torcida ativa e com um potencial de marketing gigante", conclui Amir.



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…