29 maio 2017 - 19h58

Grafite evolui, e Baptista confia: "Temos que incentivar"

O atacante Grafite chegou ao Furacão prometendo 30 gols na temporada, porém, até agora, só balançou as redes uma vez em 2017 – contra o Millonarios de pênalti, pela fase eliminatória da Libertadores.

Mas, ao contrário das partidas anteriores, quando o camisa 23 não conseguia vencer os zagueiros, criar jogadas e finalizar a gol, no duelo contra o Flamengo no último domingo, o atacante mostrou uma evolução e raça, em busca de quebrar a má fase.

Ele teve, pelo menos, três chances claras para marcar: a primeira foi para fora, a segunda o goleiro Muralha defendeu e a última, após uma grande jogada individual, a bola caprichosamente bateu na trave. No segundo tempo do jogo, ele deu lugar a Ederson, e, mesmo com o jejum, saiu aplaudido pela torcida atleticana, que reconheceu seu esforço durante o período em campo.

Para o técnico Eduardo Baptista, Grafite tem tudo para melhorar a partir de agora. E, se depender do treinador, ele ganhará muitas oportunidades, pois já mostrou que ainda é um artilheiro.

"Quanto ao Grafite, é um artilheiro. Criou situações importantes para nós. Temos que incentivar, dar oportunidades. Um jogador que teria que ter uma pré-temporada e acabou que com 12 dias teve que estrear na Libertadores. Ele vai ganhar forma. Um jogador não faz 24 gols em uma equipe rebaixada no ano passado. Então, é um jogador importante, e eu acompanhei bastante a trajetória dele na temporada passada. Fez uma semana boa de treinamentos e, por isso, a confiança de tê-lo colocado", explicou Baptista.

A próxima chance de Grafite como referência no ataque atleticano deve ser contra o seu ex-time, o Santa Cruz. O duelo com o time pernambucano, válido pelas oitavas de final da Copa de Brasil, ocorre nesta quarta-feira (31), às 19h30, na Arena da Baixada. Uma vitória simples classifica o Atlético, já que na ida, as equipes ficaram no 0 a 0.



Últimas Notícias

Opinião

Adeus ano “velho”!

  Lembro-me como se fosse hoje dos sentimentos experimentados no último Réveillon. Onde momentos antes de iniciar a contagem para receber 2019, me peguei agradecendo…

Opinião

De que são feitos os ídolos?

Quando Marco Ruben vestiu a camisa atleticana pela primeira vez, já era um ídolo rubro-negro. Simples assim. E não se trata da famosa gringolatria. Alguns…