28 jul 2017 - 1h16

Soares admite: "aí aparecem as carências"

O técnico Fabiano Soares concedeu entrevista após mais uma derrota do Atlético dentro de casa. Desta vez o algoz foi o Grêmio, que já havia vencido por 4 a 0 o jogo de ida pelas quartas de final da Copa do Brasil e tratou de selar a classificação humilhando o Rubro-Negro em plena Arena da Baixada.

Em sua fala, o treinador atleticano atribuiu a postura amorfa da equipe ao gol de empate sofrido, evidenciando também o desequilíbrio emocional de um time que não consegue se encontrar em campo:

"Após o gol, deixamos de ser equipe, começamos a desorganizar. A equipe, no início, fez um grande jogo como equipe. É uma equipe jovem, que passa uma situação difícil. Temos que ser equipe do início ao fim, senão pode levar um revés que pode custar caro. Até o gol deles, a equipe foi superior ao Grêmio. Depois, deixamos a desejar em termos de organização por querer fazer a guerra por conta própria", avaliou.

E depois de dizer que a equipe que não é equipe tem que ser equipe do começo ao fim, Soares reconheceu que o elenco tem carências que impedem a equipe de ser equipe. Não entendeu? Nem a gente:

"Tínhamos problemas de suspensão e alguns problemas físicos da equipe que entrou. Tomamos um gol bastante evitável. Tentou fazer a guerra por sua conta. Aí aparecem as carências. No segundo tempo, até melhoramos, mas, depois do segundo gol, aí deixamos de ser equipe", disse.

O treinador, ciente das dificuldades do time, ressaltou que a equipe que não é equipe teve lampejos de bom futebol durante a partida, mas afirmou que é preciso manter essa postura durante os 90 minutos:

"A gente sempre quer o melhor. Se a equipe está bem, vamos pedir mais para melhorar. Quero que o Atlético jogue cada dia melhor. Jogamos parte do jogo bem. Temos que jogar 90 minutos. Estamos tentando com trabalho", afirmou.

Apesar da eliminação na Copa do Brasil, Fabiano Soares espera melhorias com a chegada de reforços e o retorno de atletas que estão afastados por problemas físicos:

"O Clube está fazendo um esforço. Trouxe o Pavez e o Lucas (Fernandes), que vão agregar. Com a recuperação física dos jogadores, temos um plantel suficiente de qualidade para não termos problemas no campeonato (Brasileiro)", finalizou.

Além do Campeonato Brasileiro, em que o Rubro-Negro flerta com a zona de rebaixamento, o técnico também precisa preparar o time para o jogo decisivo contra o Santos, pela Libertadores da América. Na primeira partida, o Furacão foi derrotado pelo Peixe por 3 a 2, na Vila Capanema (porque tinha jogo de vôlei na Arena da Baixada), e agora precisa reverter a vantagem santista em plena Vila Belmiro. Vai ter que virar equipe logo.



Últimas Notícias

Notícias|Opinião

Até o fim

No dia 10 de maio de 2005, o Athletico sofria uma das piores goleadas da história jogando dentro de seus domínios. Na Arena da Baixada,…