31 mar 2019 - 19h11

Você conhece um Bostero? Nós conhecemos

O Athletico enfrenta o Boca Juniors na próxima terça-feira (2/4) com promessa de casa lotada de rubro-negros. Mas do outro lado haverá milhares de fanáticos boquenses. Conheça um deles.

Há pouco mais de uma década no Brasil, o autônomo Maximiliano Suarez tem duas grandes paixões as quais não abre mão: os filhos e o Boca Juniors. Radicado em Curitiba este portenho é sócio do Boca há mais de 20 anos e acompanha tudo do clube desde a infância. Pudera, sua família quase toda torce para a equipe ouro celeste enquanto alguns são aficionados do Chacarita Juniors, equipe pequena do bairro em que viviam. Seu avô e seu pai foram os grandes incentivadores daquilo que ele define como parte “dessa loucura inexplicável que é torcer pro Boca”.

Maxi sabe do tamanho a da força da torcida do Boca e por isso há muitos anos atrás iniciou contatos em Curitiba para juntar mais torcedores do Boca para verem jogos juntos. Naquele tempo, o Orkut servia como ponto de encontro e a partir dali migraram para o Facebook e hoje também em grupos de Whatts. Ele diz ter ficado surpreso e muito feliz em perceber a grande quantidade de brasileiros natos que torciam somente para o Boca e para nenhum clube nacional. Vários não são filhos nem netos de argentinos e alguns nunca sequer estiveram no país vizinho, mas nutrem igual amor pelo Boca, sabendo da história do clube e das músicas que a torcida canta. Para ele é um motivo de orgulho muito grande perceber toda essa paixão.

POR QUE BOSTEROS?

Perguntado sobre se o apelido Bosteros não ofende a torcida do Boca ele disse que no começo sim. Remete ao fato de um clássico diante do River Plate na década de 40 na Bombonera ter sido disputado com um forte cheiro de esterco (colocado em excesso no campo de jogo para fortalecer o gramado) e que com as chuvas que caíram durante toda semana que antecedeu o jogo ter deixado um lamaçal fedido no uniforme dos jogadores. Atletas do rival e parte da imprensa não perdoaram o fato chamando os donos da casa de bosteros apelido que depois passou a ser exibido com orgulho pela torcida boquense.

A PEÑA CURITIBANA

Maxi é um dos responsáveis pela peña do Boca Jrs. em Curitiba. Elas são como os consulados e embaixadas que os times brasileiros possuem fora de suas cidades sede e servem justamente para agregar torcedores do clube para verem jogos juntos, reservar ingressos, organizar confraternizações (no caso regadas a Fernet com Coca e Choripan) e viajar para ver o time. A peña de Curitiba possui sua própria faixa que pretende levar à Baixada na terça-feira e já esteve presente em jogos do Boca em São Paulo. Os seus integrantes devem ser sócios do Boca tendo direito a reserva de ingresso quando estiverem em Buenos Aires ao custo de U$ 10 mensais, o que acaba ajudando o clube e dá um caráter de pertencimento ao torcedor mesmo a distância.

O GRANDE DIA

Para este jogo eles estão organizando um encontro durante a tarde para irem juntos ao estádio. A expectativa é enorme, pois para ele é um sonho receber o clube do coração na cidade que adotou para viver. Ele que se declara um “doente” pelo Boca e Seleção Argentina já conhece os 3 principais estádios da capital e fala que chegou a fazer uma torcida (muito pequena, segundo ele) para que este ano o Athletico enfrentasse o Boca. Para Maxi a oportunidade será única e ele crê que vai se emocionar muito, chorar e tem certeza que não esquecerá jamais desse jogo.

Quanto a partida Maxi sabe exatamente quem oferece perigo: Marco Ruben. O atacante tem um histórico em fazer gols no Boca jogando tanto pelo River como pelo Rosário Central e tem faro de matador. Ele acompanha o Furacão e sabe da força do rubro-negro dentro de casa mas confia no potencial de seu time e está confiante em um bom resultado afirmando que o Boca tem um jeito de jogar e se portar independente do adversário e do local da partida.

O portenho deixou uma saudação especial ao torcedor atleticano, desejando que seja uma noite inesquecível para todos, que se possa ir ao estádio cada um com a camisa do seu time, em paz e que vença o melhor num jogo sem problemas de arbitragem e nem extra campo. Para o interessados em saber mais sobre a peña curitibana, basta encontrar o grupo BOCA JUNIORS CURITIBA-BRASIL no Facebook e fazer contato.



Últimas Notícias

Opinião

A iminência

Já se sentiram na iminência de algo que poderia mudar suas vidas para sempre? Eu senti, recentemente, de uma maneira assustadora. Viagem de carro numa…

Fala, Atleticano

Generosidade?

Uma busca rápida no mais simples dicionário permite apurar que o conceito de “generosidade” remete à ideia de gentileza; de adoção de uma prática nobre…