O Fala, Atleticano é um canal de manifestação da torcida do Atlético. Os textos abaixo publicados foram escritos por torcedores rubro-negros e não representam necessariamente a opinião dos responsáveis pelo site. Os autores se responsabilizam pelos textos por eles assinados. Para colaborar com um texto, clique aqui e siga as instruções. Confira abaixo os textos dos torcedores rubro-negros:
26 abr 2019 - 18h59

Clube Athletico dos Campeões

Num intervalo de 24 páscoas, o Athletico saiu de um clube que sofria para entrar no mata-mata do Campeonato Estadual para vencer, depois de 18 anos, mais um bicampeonato do mesmo certame, com o adendo de ser o time C do clube atualmente.

E para repetir o ciclo de erguer a 3ª taça em 12 meses. Com isso, alcança 15 títulos em 24 anos, ante 22 taças em 71 anos.

Escolha você – seja por posicionamento politico, paixão à pessoas ou dirigentes, a regressão da qualidade dos rivais locais e nacionais, ou qualquer algo do tipo – os principais responsáveis por este salto.

O fato é que o processo de crescimento que se consolidou com esta onda vencedora precisa ser mantido, o que vai acontecer se todos – diretoria, elenco, torcida – trabalharem para que seja mais que um acaso do destino, cada qual fazendo a sua parte para que estejamos em uma nova era para a instituição.

Um dos presidentes do mandato 2016-2019 chegou a comentar que “o clube já é campeão, só falta colocar a faixa” (em 2015). Três faixas depois, o que podemos esperar da parte mais relevante da temporada 2019?

Libertadores: sorte, juízo e competência

Exatamente nesta ordem, o time do Athletico “prefere brincar” com a sorte ao estar num grupo onde nenhum adversário venceu fora de casa, e com o juízo de seguir jogando ok quando sai da Baixada [e mesmo assim não ganha], para se classificar. Fora competente em fazer 100% dos pontos em casa [com direito à um jogo lendário contra o enorme Boca Jrs.], mas precisa mais se pretende sonhar alto, tão alto quanto a Sulamericana deixou.

A mídia, com seus bairrismos, pode menosprezar o quanto quiser. Mas sendo um dos 16 melhores clubes da América do Sul de 2018 pra cá, só a própria competência impedirá os atletas de colocarem o CAP em lugar ainda mais relevante.

Mata-matas (copa do brasil, recopa sulamericana, suruga): façam por merecer

Com poucos jogos no ano, não dá pra cravar nada sobre o desempenho do elenco atual, exceto fazer as reclamações rasteiras acima. Por isso, só espero que façam por merecer todos os resultados que esse time buscar.

Em 2018, o “time de guerra” soube sofrer com as pressões estéreis dos adversários em alguns jogos da Sulamericana, e precisou de 18 rodadas / 9 meses para tirar 3 pontos fora de Curitiba no Brasileiro. É pouco para quem quer romper de vez com o muro dos 12 grandes.

Merecer, aqui, significa deixar todo o aspecto de “desculpas” pros adversários. Vencer fora e vencer em casa. Se impor e decidir com força, deixando que o imponderável do futebol fique só pra quem joga contra eles.

Brasileirão: surpreendam positivamente

O elenco sofrerá baixas importantes – jogadores com idade olímpica e perfil ideal pro mercado europeu – que engordarão o caixa do clube nos próximos anos. Minha torcida é por reposições à altura, consciente de que a reconstrução da qualidade do jogo demorará um pouco.

Com as aposentadorias e redução gradativa dos jogos dos mais experientes, teremos um ano de transição no esqueleto do plantel.

Sofrendo como visitante, ainda assim temos a regularidade de seguir na metade de cima da tabela em 5 dos 6 últimos campeonatos de pontos corridos. Exceto tragédias no desempenho do time, o mínimo que dá pra esperar é ser um dos 8 times mais competitivos. E mantendo a força de jogo, brigará por uma das vagas à Libertadores.

O bicampeão paranaense, campeão sulamericano e um dos 16 melhores times da América do Sul tem toda a receita para superar as expectativas mais otimistas.

Como um dos nossos cantos, que a frase “quero gritar campeão” não seja apenas um verso que embala a pressão do caldeirão; e que “vamos lutar por mais essa taça / vamos rubro-negro com garra e com raça” seja o mantra dos caras que envergam o manto mais pesado do estado, sob a batuta de um dos técnicos com maior empatia em terras athleticanas. Para nossa temporada seguir tão boa quanto fora 2018.



Últimas Notícias

Notícias

De novo a dupla Fla x Flu

Há jogos que mesmo não sendo decisivos acabam sendo marcantes. Lógico que uma final, uma partida que valha vaga para uma fase aguda de uma…

Notícias

Adeus, professor Vadão

Hoje (25) à tarde faleceu Oswaldo Alvarez, o Vadão, que estava internado tratando um câncer no fígado. A notícia vem logo após um domingo nostálgico…

Memória

2002 COM MUITA PAZ

Na tarde do dia 23 de Dezembro de 2001, o Furacão conquistava o seu primeiro título nacional! A partida final, em São Caetano do Sul,…