28 abr 2019 - 9h53

Quando o ídolo do Vasco era do Athletico

O Campeonato Brasileiro de 1979 foi disputado por 94 clubes. Eram tempos de “onde a ARENA vai mal, um time no nacional”. Foram quase 600 partidas disputadas em três meses com a seguinte fórmula de disputa: três fases, semifinal e final.

Na primeira fase, os clubes foram divididos em 8 grupos de 10 times cada, mas com uma regra esdrúxula: em seis grupos, classificavam-se à segunda fase os quatro melhores; mas em dois grupos, classificavam-se oito clubes (só dois ficavam de fora). Na segunda fase, juntavam-se aos 44 classificados da primeira fase outros 12 times de São Paulo e Rio de Janeiro e mais o campeão e o vice de 1978

O Athletico no Brasileirão 79

O Athletico disputou o Grupo G da primeira fase e se classificou em sexto lugar. Destaque para o empate no jogo de estreia contra o Internacional e a vitória sobre o Grêmio com um gol de Rotta. Na segunda fase, o Furacão ficou no Grupo C e se classificou em segundo lugar, um ponto atrás do Inter.

O clube foi forte para a terceira fase. Caiu no Grupo D, que tinha ainda Vasco da Gama, Operário de Campo Grande e Uberlândia. O primeiro jogo seria contra o favorito Vasco, que tinha em seu plantel um craque sensação revelado na Baixada: Katinha.

Katinha

Elcir Andrade Branco nasceu em Lages e chegou à Baixada aos 14 anos. Era chamado pelos colegas de Catarina. Daí para Catarininha, Catinha e Katinha foi um passo.

Passou por todas as categorias de base, conquistou títulos, foi convocado para a Seleção Brasileira de Juvenis, até chegar ao time profissional para suceder a Buião. Vestiu a camisa rubro-negra de 1972 a 1978.

Era um ponta-direita carismático e se tornou ídolo da geração de atleticanos do fim dos anos 70. Os torcedores iam comprar a camisa do Furacão na Fedatto ou Janjão e pediam a número 7 por causa dele. Pertencia a uma safra de pratas da casa que tinha Lotti, Evans e Flavinho.

Mas em razão carência de títulos, estes jovens jogadores sofriam com a pressão do alambrado colado da Baixada e nem sempre tinham a oportunidade de se firmar. Com a contratação de Paulinho Carioca, Katinha acabou sendo emprestado ao Avaí em 1979.

Depois de um maravilhoso Campeonato Catarinense, chamou a atenção de outros clubes e foi emprestado ao Vasco para a disputa do nacional. Rapidamente, virou destaque no Rio de Janeiro e se firmou como titular.

Athletico x Vasco pelo Brasileirão 79

Como o passe de Katinha ainda pertencia ao Athletico, o clube poderia exigir que o ponta-direita não entrasse em campo no confronto da terceira fase.

O técnico Hélio Alves foi questionado pela imprensa: “O Atlético vai exercer o seu direito de fazer com que Katinha não jogue?“ A resposta do Feiticeiro às rádios foi a seguinte: “Não vou fazer isso, ele é a atração do jogo”.

No dia da partida, em um domingo à tarde no Couto Pereira, o Vasco entrou em campo com um time repleto de estrelas, com destaque a Roberto Dinamite e Leão, recém-chegados da Copa do Mundo da Argentina. Mas os mascotes e crianças que estavam em campo foram correndo pedir autógrafos a outro jogador: Katinha, o “cara do jogo”. O ídolo do Vasco era do Athletico.

Paulinho Bolívar comemora seu gol contra o Vasco, pelo Brasileiro 1979

Com a bola rolando, o Athletico saiu na frente com um gol de Paulinho Bolívar, de cabeça, aos 22 minutos. Muita comemoração com os mais de 20 mil torcedores no estádio. Mas o Vasco empatou logo em seguida com Wilsinho e o jogo terminou 1 a 1.

Após esta partida, o Furacão pareceu conformado com a boa campanha, perdeu seus outros dois jogos e não se classificou para a semifinal. O Vasco passou em primeiro lugar e chegou à final contra o Internacional.

O Inter foi o campeão invicto de 1979, mas não venceu o Athletico nos dois confrontos entre as equipes, e o vice Vasco da Gama também não venceu o Furacão.

Athletico x Vasco, quarenta anos depois

Passados quarenta anos, Athletico e Vasco voltam a se enfrentar pelo Campeonato Brasileiro em Curitiba – e quanta coisa mudou de lá para cá. Neste domingo (28/4), o Furacão estreia na competição e escreverá mais um capítulo da história de confrontos contra o Vasco.

Ficha técnica

Campeonato Brasileiro 1979 – 02/12/29179 – Athletico 1 x 1 Vasco da Gama
L: Couto Pereira: A: Carlos Sérgio Rosa Martins (RS); P: 23.547; CV: Lazinho; G: Paulinho Bolívar, aos 22′, e Wilsinho, aos 26′ do 1º.

ATHLETICO: Roberto; Lóti, Lazinho, Oliveira e Flávio; Didi, Rotta e Nivaldo; Paulinho, Paulinho Bolívar (Alfredo) e Peri. Técnico: Hélio Alves.

VASCO DA GAMA: Leão; Orlando, Gaúcho, Ivan e Marco Antônio; Zé Mário, Zandonaide e Dudu; Katinha (Paulinho), Roberto Dinamite e Wilsinho. Técnico: Otto Glória.

Saiba mais sobre Katinha



Últimas Notícias

Notícias

Valeu, menino Rony!

Os olhos marejados não me deixavam apreciar o momento. A explosão em uma das maiores conquistas que já vivi, me faziam apenas ouvir um nome:…