O Fala, Atleticano é um canal de manifestação da torcida do Atlético. Os textos abaixo publicados foram escritos por torcedores rubro-negros e não representam necessariamente a opinião dos responsáveis pelo site. Os autores se responsabilizam pelos textos por eles assinados. Para colaborar com um texto, clique aqui e siga as instruções. Confira abaixo os textos dos torcedores rubro-negros:
2 maio 2019 - 0h03

Continuação: Athleticanismo, razão e ciência – Lições do velho e bom “Niccão” ao nosso querido “Prínci-dente”

Texto adaptado de MACHIAVELLI, Niccolò, O PRÍNCIPE, escrito em 1505 e publicado em 1515.

Apresentado em partes este texto não tem a pretensão de constituir-se como uma análise política e econômica dos governos que se sucedem no nosso amado Athletico Paranaense. Serve apenas de maneira irônica e metafórica, para que com a sutileza e respeito que nosso presidente exige, segue como uma homenagem e problematização crítica dos possíveis rumos que nosso Furacão pode tomar. Espero que os entendedores o entenda, porque o futebol é muito grande para eximir-se de uma boa leitura!

Capítulo III – Os Times de Futebol mistos.

Mas é nos ‘times com donos novos’ que residem as dificuldades. Em primeiro lugar, se não é totalmente novo mas sim como membro anexado a um ‘clube social’ (que pode chamar-se ‘quase mistos’), as suas variações resultam principalmente de uma natural dificuldade inerente a todos os clubes novos: é que os torcedores, com satisfação, não mudam de time pensando em melhorar e esta crença faz com que lancem mão de armas contra o próprio time, no que se enganam, porque, pela própria experiência, percebem mais tarde ter piorado a situação. Isso depende de uma outra necessidade natural e ordinária, a qual faz com que o ‘novo dono’ sempre precise ofender os novos torcedores com seus poderes e com outras injúrias que se lançam sobre a recente conquista; dessa forma, tens como inimigos todos aqueles que ofendeste com a compra daquele Clube e não podes manter como amigos o que te puseram ali, por não poderes satisfazê-los pela forma por que tinham imaginado, nem aplicar-lhes corretivos violentos, uma vez que estás a eles obrigado; porque sempre, mesmo que com muito dinheiro, tem-se necessidade de apoio dos torcedores para perpetuar-se enquanto marca e identidade de clube de futebol. Foi por essas razões que Rivaldo tornou-se rapidamente dono do Mogi Mirim Esporte Clube, time que o revelou e logo depois o vendeu, bastando um grupo de empresários com mais capital, porque os torcedores lhe haviam aberto as portas, reconhecendo o erro de seu pensar anterior e descrentes daquele bem-estar futuro que haviam imaginado, não mais podiam suportar os fracassos ocasionado pelo novo dono.

É bem verdade que, reconquistando posteriormente os torcedores mais rebeldes, mais dificilmente se as perdem, eis que o dono, em razão dos torcedores revoltados, é menos vacilante em assegurar-se da punição daqueles que lhe faltaram com paciência (de torcedor é bem curta), em rotular e estigmatizar os suspeitos e em reparar os pontos mais fracos.

Digo, consequentemente, que estes times de donos comprados e anexados a um clube social antigo, ou são de um mesmo perfil cultural e social, ou não o são: quando o sejam, é sumamente fácil mantê-los torcendo, ainda mais quando não estejam habituados a ter em vitórias ou títulos, para dominá-los será bastante ter-se extinguido a estirpe derrotista, porque nas outras coisas, conservando-se suas velhas condições e não existindo alteração dos costumes, os homens passam a ver-lhes tranquilamente, como se viu ter ocorrido no Chelsea, PSG, Shakhtar Donetsk, Manchester United e outros clubes da Europa, mas graças as semelhanças de costumes facilmente se acomodaram aos seus donos.

Mas, quando se compra um clube cuja cultura futebolítica, os costumes dos torcedores e as leis diferentes, aqui surgem as dificuldades e é necessário haver muito boa sorte e habilidade para manter os torcedores fiéis. E um dos maiores e mais eficientes remédios seria que o novo dono assuma a mentalidade dos torcedores. Isto tornaria mais segura e duradoura a posse adquirida, como ocorreu nos clubes europeus, que a despeito de ter observado todas as leis locais, não teria conservado seus torcedores se não tivesse assumido a sua mentalidade. Isso porque, estando como torcedor, pode-se ver nascer as desordens e, rapidamente podem ser elas reprimidas; sem tornar-se torcedor, do clube apenas se tem notícias quando já alastradas e não mais passíveis de solução. Além disso, a torcida conquistada não é mobilizada por torcedores históricos; os torcedores ficam satisfeitos porque o recurso econômico se torna mais fácil, donde têm mais razões para amar o clube, tornando-se bons torcedores, e temor pela exclusão ou não participação, caso queiram agir por forma diversa. Quem não for torcedor e desejar comprar o clube (i.e., o time), por ele terá maior respeito; donde, ao assumir a mentalidade de torcedor, o dono somente com muita dificuldade poderá vir a perdê-lo.

Outro remédio eficaz é instalar torcidas cooptadas (i.e., falanges ou milícias) num ou dois pontos de convergência de torcedores, eis que é ou fazer tal ou aí manter muitos torcedores/capangas. Com as torcidas profissionais, não se despende muito e, sem grande custo, podem ser compradas e mantidas, sendo que sua criação prejudica somente àqueles de quem se tomam os lugares na arquibancada para cedê-los aos torcedores cooptados, os quais constituem uma parcela mínima do Clube. Ainda, assim os prejudicados, ficando dispersos e desgostosos, não podem causar dano algum, enquanto que os não lesados ficam à parte, amedrontados, devendo aquietar-se ao pensamento de que não poderão errar para que a eles não ocorra o mesmo que aconteceu àqueles que foram espoliados. Concluo dizendo que esta torcida cooptada não são onerosas, são mais fiéis, ofendem menos e os prejudicados não podem causar mal, tornados desgostosos e dispersos como já foi dito. Mas mantendo em lugar das torcidas cooptadas, torcidas oficiais, gasta-se muito mais, absorvida toda arrecadação do Clube na torcida; dessa forma, a compra transforma-se em perda e ofende muito mais porque danifica todo o clube com as mudanças na organização da arquibancada, incomodo que todos sentem e que transforma cada torcedor em inimigo: e são inimigos que podem causar dano ao ‘novo dono’, pois, vencidos, ficam em sua agonia de torcedor. Sob qualquer ponto a criação dessa ‘torcida oficial’ é inútil, ao passo que a criação das ‘torcidas cooptadas’ é útil.

continua…



Últimas Notícias

Opinião

A iminência

Já se sentiram na iminência de algo que poderia mudar suas vidas para sempre? Eu senti, recentemente, de uma maneira assustadora. Viagem de carro numa…

Fala, Atleticano

Generosidade?

Uma busca rápida no mais simples dicionário permite apurar que o conceito de “generosidade” remete à ideia de gentileza; de adoção de uma prática nobre…