10 maio 2019 - 0h36

Athletico sucumbe no fim e fica em segundo no grupo G

Related Posts

None found

O Athletico foi valente, enfrentou o Boca de igual para igual em plena La Bombonera.

Até saiu na frente do placar, mas desta vez não voltou com ma vitória de Buenos Aires. O rubro-negro paranaense se postou bem em campo e mesmo com baixas importantes, como Bruno Guimarães, Thiago Heleno e Camacho, o Athletico fez uma boa partida na capital argentina.

Os gols ficaram todos para o segundo tempo. O furacão saiu na frente com mais um tento de um dos artilheiros da Libertadores, o argentino Marco Ruben. Mas a alegria durou pouco.

O Boca logo empatou, com um gol irregular de Lisandro López, que ainda contou com uma considerável falha do goleiro Santos.

A ducha de agua fria veio aos 49 do segundo tempo. Com uma batida de longe do consagrado Carlitos Tevez, o Boca selou a vitória.

Arbitragem, expulsão, acréscimos

O nome da partida? Um equatoriano. Nem do Athletico, nem do Boca Juniors. O juiz Carlos Ánibal Orbe. Com uma arbitragem pra lá de tendenciosa, como sempre acompanhamos quando qualquer brasileiro se apresenta em La Bombonera.

Não venho aqui defender Wellington, que deu um carrinho imprudente e nos deixou com um jogador a menos aos 32 do segundo tempo. Mas sim cobrar a falta de postura, o “um peso e duas medidas” do juiz equatoriano. Já que aos 34 minutos do primeiro tempo o zagueiro Izquierdoz levou apenas um amarelo em um lance tão perigoso quanto o de Wellington, após um carrinho em Nikão.

Não precisa ir muito longe, um minuto antes da expulsão o volante Nández também ficou só no amarelo após parar um contra-ataque com um tapa no rosto de Rony.

Posso falar também do primeiro gol do Boca. Apesar de mais uma falha do goleiro Santos, o gol foi ilegal, já que Lisandro López estava impedido no lance.

Também teve bola na mão do lateral Buffarini dentro da área, que foi muito mais pênalti do que os marcados contra nós em Cochabamba. Mas o juiz equatoriano fez vista grossa mais uma vez.

Para coroar a apresentação, ainda tivemos cinco minutos de acréscimos num segundo tempo que praticamente não teve paralizações.

Voltando ao Athletico

É verdade que saímos derrotados fora de casa mais uma vez. Mas sem essa de terra arrasada. O Furacão foi valente e jogou muita bola em Buenos Aires.

Ainda temos uma coisa ou outra para melhorar. Jonathan vem com apresentações muito abaixo de seu nível habitual, o goleiro Santos falhou mais uma vez. Novamente saímos na frente e não soubemos administrar o resultado.

Mesmo com os desfalques, mesmo com alguns erros, mesmo prejudicado pela arbitragem, o Athletico fez a sua melhor partida como visitante nesta Libertadores.

Vale destacar que já estávamos classificados antes da partida. Não garantimos o primeiro lugar, é verdade. Mas daqui em diante o número de jogos para quem passa em primeiro e em segundo é o mesmo.

O sorteio do próximo adversário será realizado na próxima segunda-feira, 13 maio. O Athletico pode mais uma vez enfrentar um brasileiro nas oitavas de final da Libertadores. Palmeiras, Cruzeiro, Flamengo e Internacional se classificaram em primeiro em seus respectivos grupos e são possíveis adversários. Os demais sul-americanos são Olimpia, Cerro Porteño ou Libertad.



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Brasileirão 2019

Após o título do Furacão pela Copa do Brasil, o estado de êxtase que cada athleticano vive é algo surreal. É um momento mágico, fruto…