13 maio 2019 - 15h31

Petraglia: “É uma das piores situações que eu vivi nessas duas décadas no clube”

A gravidade do caso de doping envolvendo os atletas Thiago Heleno e Camacho se expressa pelas palavras de Mario Celso Petraglia: “Lamentavelmente, a vida nos proporciona situações difíceis. Essa é uma das piores que eu vivi nessas duas décadas que estamos aqui no clube. Fomos surpreendidos aí por uma falha interna de profissionais do clube”.

O impacto da declaração, logo no início da entrevista coletiva realizada nesta segunda-feira (13/5), é ainda maior porque se trata de um dos dirigentes mais experientes do futebol brasileiro. Petraglia já passou por situações extremamente complicadas – inclusive com a imposição de pena de banimento do futebol imposta pelo STJD em 1997.

Agora, o caso do doping deixou o dirigente visivelmente transtornado. Mesmo passados dez dias do conhecimento dos fatos – Petraglia revelou que o clube foi comunicado pela Conmebol do teste de Thiago Heleno no dia 3 de maio -, Petraglia ainda demonstrou estar profundamente emocionado com o impacto da questão na vida dos jogadores: disse que estava triste como jamais havia ficado.

Durante a coletiva, chegou a ser perguntado sobre as dívidas do clube e respondeu de forma ríspida que questões financeiras não eram nada se comparadas com o prejuízo à imagem dos atletas por um erro do clube.

Morte

Resignado, Petraglia afirmou que não existe uma solução para o caso. Comparou a situação a uma morte: “O Athletico dará todas as condições possíveis. Mas não serão suficientes. Não existe solução, não existe reparação. É uma morte, entre aspas, como conserta isso? Vamos atenuar”.

 



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…