11 jul 2019 - 0h51

O VAR é bom para quem?

O Athletico enfrentou o Flamengo hoje, dia 11 de julho, na Arena da Baixada. Um grande do Rio de Janeiro enfrentando um time paranaense.

Obviamente que em inúmeras situações o torcedor atleticano já se revoltou. E até vinha se acostumando com arbitragens tendenciosas e lances polêmicos, principalmente neste tipo de partida.

No entanto, o que se viu na Arena da Baixada hoje nos faz perder este fio de esperança que o VAR trouxe em sua chegada.

Primeira polêmica

Aos 10 minutos do primeiro tempo um dos lances mais contestados na partida de hoje. O goleiro Diego Alves, do Flamengo, pegou a bola com as mãos quase um metro fora da área.

O torcedor viu, quem assistia o jogo na TV viu, os narradores das equipes de transmissão também viram. Já o árbitro Anderson Daronco, não. O bandeirinha também não. E pelo jeito o VAR não viu também.

O destaque neste lance não fica só para a falta de competência do árbitro e do bandeira dentro de campo. Mas principalmente do VAR que DEVE interferir em lances de cartão vermelho.

Diego Alves era o último homem da equipe carioca, pegou a bola com a mão fora da área e devia ter sido expulso aos 10 minutos do primeiro tempo.

Que jogo teríamos se o Flamengo jogasse com um a menos desde os 10 minutos inicias e com seu goleiro reserva?

Gols anulados

Ainda no primeiro tempo o Athletico teve dois gols anulados. E bem anulados. O bandeira, o mesmo que não viu o goleiro do Flamengo pegar a bola com as mãos quase um metro fora da área, viu impedimento em ambos os lances, aos 19 e aos 34 minutos da primeira etapa.

Segunda polêmica

O Athletico mandava no jogo e era superior. Inclusive já havia aberto o placar aos 4 minutos do segundo tempo. Mas mais uma vez a arbitragem entrou em ação.

Aos 16 minutos do segundo tempo Marcelo Cirino foi derrubado dentro da área. O árbitro Anderson Daronco não marcou o pênalti e deixou o lance seguir.

Após uma longa conversa via rádio, o árbitro da partida finalmente foi para a cabine analisar o lance. Resultado? Falta para o Flamengo.

Parece piada, mas não é. Daronco “achou” uma falta (depois de muito procurar) de Marco Ruben em Rodrigo Caio durante o lance e o pênalti, que foi MUITO pênalti, já não era mais nada.

Uma falta pra lá de discutível. Marco Ruben e Rodrigo Caio se chocam no ar quando ambos buscam a disputa aérea. Se fosse o contrário, será que o juizão marcaria?

Gol anulado, de novo

Aos 38, mais um gol anulado. Da pra pedir música no fantástico também? Marcelo Cirino empurrou para as redes. Mas mais uma vez, acertadamente, a arbitragem marcou impedimento no lance.

Resumo da ópera: os três gols do Athletico foram bem anulados. Inclusive, como é de praxe do VAR, todos os lances de gols são revisados e os mesmos seriam anulados da mesma maneira.

Mas aonde estava o VAR no lance de Diego Alves?

Ou então como ele funcionaria se o lance do segundo tempo fosse ao contrário? Um pênalti não marcado para o Flamengo que não seria marcado pelo VAR em função de uma “falta” (entre aspas mesmo, já que aquilo é qualquer coisa, menos falta) durante o lance?

O VAR é bom sim, o VAR é ótimo. Mas ainda tem muito o que ser aprimorado.

Caso contrário, uma ferramenta que tinha tudo para tornar o futebol mais justo acabará sendo apenas mais uma muleta para a péssima arbitragem brasileira.

Assuntos: | |


Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…