8 ago 2019 - 11h42

Prazer, sou o Athletico Paranaense

As cores, emblema e a camisa do Athletico Paranaense já não são uma novidade na terra dos gigantes argentinos. Depois de ter vencido com propriedade a Copa Sul-americana em 2018, conseguindo proezas como vencer por goleada o Peñarol em plena capital uruguaia por exemplo e ter assim assegurado vaga na Taça Libertadores da América deste ano, o Furacão contratou dentre alguns estrangeiros, o goleador Marco Ruben junto ao Rosário Central, atleta conhecido do futebol do país vizinho.

A goleada histórica por 3 X 0 na fase de grupos da Libertadores e a vitória consistente na partida de ida da Recopa Sul-americana contra o atual campeão continental River Plate colocaram o rubro-negro na mira da imprensa e na boca dos torcedores das duas maiores potências futebolísticas do futebol argentino. Vencer o atual vice e o campeão da Libertadores na mesma temporada não é tarefa para qualquer um e o Athletico Paranaense, ou “El Paranaense” como é conhecido o time no restante da América do Sul, mostrou muito do seu valor para quem ainda não conhecia a força do Furacão.

Athletico se faz presente entre os grandes em Buenos Aires. (foto: FURACAO.COM)

Nas ruas, bares, táxis e restaurantes da capital portenha muito se falou do Athletico últimos meses. Do misterioso time que há pouco enfrentou Velez Sarsfield e San Lorenzo pela competição internacional, passou-se a se conhecer um clube moderno, do estádio de primeiro mundo com grama artificial e uma torcida que joga junto e incendeia a partida.

Visivelmente o Athletico deixou de ser uma curiosidade, uma novidade para ser um clube emergente buscando seu espaço entre os grandes. Grandes não: só quem vive de perto a magnitude que representam Boca e River no futebol argentino e internacional tem ideia do quanto se respira, se vive e se é apaixonado por futebol na terra do tango, da empanada, dos Pumas, de Gardel, Messi e Maradona.

Lojas de artigos esportivos colocam produtos do Athetico ao lado de um seleto grupo de times como Barcelona, Real Madrid, Milan, Juventus, os principais argentinos e alguns poucos brasileiros. Restaurantes receberam com carinho os milhares de atleticanos que tomaram Buenos Aires por três vezes este ano, de maneira ordeira, em paz e na maioria das vezes em comunhão com los hinchas locais. Alguns deles receberam camisas, bandeiras de mão ou cachecóis do Furacão e hoje ostentam em suas paredes o sinal de que por ali passou um Furacão e que em breve ele vai voltar.

Torcedor atleticano deixou sua marca na capital portenha. (foto: FURACAO.COM)


Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Faltou categoria

Em uma partida equilibrada na primeira etapa, onde o Athletico poderia ter tido uma melhor sorte e não ter saído com um placar adverso, não…