15 ago 2019 - 10h40

Athletico é dominado e perde em Porto Alegre

Uma noite para esquecer. Assim como foram as derrotas fora de casa na última partida diante do Boca Juniors e na final da Recopa contra o River Plate, a equipe atleticana não se encontrou em campo e perdeu para o Grêmio por 2 x 0 pela partida de ida das semifinais da Copa do Brasil.

As equipes voltam a se enfrentar somente dia 04 de setembro na Arena da Baixada e com importantes desfalques devido aos cartões amarelos: Léo Pereira pelo rubro-negro e Everton pelo Grêmio.

O JOGO

Nem o mais otimista torcedor do tricolor gaúcho acreditava que a equipe teria tamanha facilidade. Desde o começo o time gaúcho tomou conta do meio campo, mesmo com o Athletico sendo escalado teoricamente com três volantes (Wellington, Lucho e Bruno Guimarães). A bola “queimava” no pé dos atleticanos dando oportunidades para o Grêmio que também não fazia grande partida.

O jogo seguiu um tanto morno até que toda defesa atleticana resolveu colaborar. Time no ataque, bola espirrada no meio campo e Márcio Azevedo com ela dominada quis aplicar um chapéu sobre o meia Matheus Henrique que roubou a bola, não recebeu o combate ou mesmo a falta de Wellington e acionou Everton Cebolinha em velocidade pela esquerda. Jonathan ficou marcando de longe dando espaço para o cruzamento perfeito na cabeça de André que não foi acompanhado pelo apático Léo Pereira e pelo inerte Lucas Halter.

Aos 24´da primeira etapa o Athletico sofria o gol que todos já estavam esperando e contando com falha de todo sistema defensivo, menos do goleiro Santos.

Mas o camisa 1 atleticano não poderia deixar seus companheiros sofrerem críticas sozinho e formou muito mal a barreira aos 27´da segunda etapa após Lucho não conseguir acompanhar o ataque gremista e fazer falta na entrada da área. Diferentemente do Furacão o adversário parece que treina cobranças de falta e sem dificuldade Jean Pyerre bateu colocado, sem muita força no cantinho do goleiro Santos que demonstrou a mesma velocidade de reação do seu reserva Caio, ou seja, nenhuma!

A partir do segundo gol o tricolor cansou de perder chances enquanto o treinador Tiago Nunes tentava desfazer os erros da formação inicial. O que se viu novamente foi uma equipe completamente entregue, sem poder de reação e contando com jogadores que há muito não correspondem e seguem como titulares.

O Furacão necessita agora vencer por pelo menos dois gols de diferença para levar a partida para a decisão por pênaltis ou vencer pela improvável diferença de mais de três gols para ir á final da Copa do Brasil, antigo sonho mas que parece mais uma vez distante do Athletico.



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…