13 set 2019 - 6h27

Por mais essa taça: Athletico deu passo importante, mas nada está definido

Na decisão da 31ª edição da Copa do Brasil, competição que teve início em 1989, o Athletico saiu na frente do Internacional ao vencer a primeira partida por 1 a 0, na noite de quarta-feira (11), na Arena da Baixada. Empurrado por quase 40 mil torcedores, o Rubro-Negro fez a lição de casa e garantiu a vantagem de jogar por um empate no jogo decisivo, que acontece na próxima semana, no Beira-Rio.

Agora, os comandados de Tiago Nunes precisam manter o foco e jogar com sabedoria para não deixar escapar a oportunidade de entrar para a história com a conquista de um título inédito que, além da ótima premiação e de garantir uma vaga na fase de grupos da Libertadores 2020, pode ajudar a consolidar o Furacão entre os grandes do futebol brasileiro.

Mas para isso, o que é preciso?

Na entrevista coletiva concedida após a vitória sobre o Colorado, Tiago Nunes bateu várias vezes na tecla do aprendizado. Com uma equipe acostumada a disputar decisões, o treinador tem consciência das falhas que culminaram em derrotas (eliminação para o Boca na Libertadores, derrota para o River na Recopa), bem como dos acertos que resultaram em importantes vitórias (conquista da Sul-Americana sobre o Junior Barranquilla, da J. League YBC Levian Cup sobre o Shonan e eliminação dos badalados Flamengo e Grêmio na própria Copa do Brasil).

E se aprender com os próprios erros e acertos é algo que está na cartilha do professor, tirar lições das atuações alheias também pode ajudar o Athletico a conquistar o tão almejado troféu que, em 2013, ficou no quase.

Por isso, a Furacao.com fez um levantamento das 30 decisões anteriores da Copa do Brasil para concluir que, embora pequena, a vitória simples contra o Inter representa, sim, uma boa vantagem.

Sair na frente é muito importante!

Na história da mais democrática competição nacional, grande parte dos títulos foram decididos no primeiro jogo. Como já destacado em matéria anterior, o fator mando de campo não faz tanta diferença para definir o campeão. Vencer o primeiro jogo, sim. Em raríssimas oportunidades a equipe que perdeu a primeira partida conseguiu reverter a situação e conquistar a taça.

Mas é claro que, como no futebol tudo pode acontecer, o bom resultado na partida de ida não pode significar comodismo no jogo de volta. Confira abaixo como foram as conquistas de todas as 30 edições anteriores da Copa do Brasil:

GANHOU A PRIMEIRA E LEVANTOU A TAÇA

Em 13 oportunidades, o time que venceu a primeira partida da decisão acabou levantando a taça:

1990, Flamengo ficou com a taça depois de derrotar o Goiás por 1 a 0 em casa e, no jogo de volta, empatar sem gols.

1995, Corinthians venceu o Grêmio por 2 a 1 em casa e ainda fez 1 a 0 na casa do adversário, sagrando-se campeão.

1999, Juventude surpreendeu o Brasil ao derrotar o Botafogo por 2 a 1 em casa e segurar um empate sem gols fora.

2002, Corinthians derrotou o Brasiliense em casa, por 2 a 1, e empatou em 1 a 1 fora para conquistar seu segundo título.

2005, Paulista fez 2 a 0 no Fluminense no jogo de ida, em casa, e empatou sem gols fora para levantar a taça.

2006, Flamengo venceu o Vasco da Gama por 2 a 0 na ida e fez mais 1 a 0 na volta, conquistando mais um troféu.

2009, Corinthians largou em casa com 2 a 0 sobre o Internacional e empatou em 2 a 2 fora, levantando mais uma taça.

2010, Santos abriu 2 a 0 contra o Vitória e, apesar de ter perdido por 2 a 1 o jogo de volta, foi campeão.

2011, Vasco da Gama venceu o Coritiba por 1 a 0 em casa e perdeu fora por 3 a 2, ficando com o título.

2012, Palmeiras fez 2 a 0 no Coritiba em casa e empatou em 1 a 1 no jogo de volta, garantindo a conquista da taça.

2014, Atlético/MG derrotou o rival Cruzeiro por 2 a 0 no jogo de ida e fez 1 a 0 no jogo de volta para garantir o título.

2016, Grêmio venceu o Atlético/MG fora por 3 a 1 e empatou em casa em 1 a 1, vencendo a competição mais uma vez.

2018, Cruzeiro derrotou duas vezes o Corinthians, em casa por 1 a 0 e fora por 2 a 1, garantindo mais um título.

MAS TEVE TIME QUE JÁ CORREU ATRÁS… E VIROU (INCLUSIVE O INTER)

Mas se vencer o primeiro jogo é importante, isso não significa que a equipe deva se acomodar. Em 4 edições da Copa do Brasil ocorreu a chamada “remontada”, ou seja, o time que perdeu o primeiro jogo se superou para conquistar o título:

1992, Internacional perdeu para o Fluminense por 2 a 1, fora de casa, e com vitória por 1 a 0 no Beira-Rio conseguiu ficar com a taça.

1998, Palmeiras foi derrotado pelo Cruzeiro fora de casa, por 1 a 0, mas fez 2 a 0 no jogo de volta e garantiu o título.

2008, Sport tomou 3 a 1 do Corinthinas no primeiro jogo, mas, em casa, fez 2 a 0 e reverteu a vantagem, conquistando o troféu.

2015, Palmeiras perdeu para o Santos por 1 a 0 na Vila Belmiro, mas venceu por 2 a 1 em casa e ganhou a competição.

MUITOS TÍTULOS FORAM DEFINIDOS APENAS NO SEGUNDO JOGO

Além das “remontadas”, também vale destacar que em 13 oportunidades o título só foi definido no segundo jogo, depois de ocorrerem empates nos jogos de ida:

1989, Grêmio foi campeão depois de empatar sem gols com o Goiás e vencer o jogo de volta por 2 a 1.

1991, Criciúma empatou em 1 a 1 com o Grêmio fora de casa e foi campeão com novo empate, sem gols, no segundo jogo.

1993, Cruzeiro, depois de um empate sem gols contra o Grêmio, fora de casa, levantou a taça ao vencer em casa por 2 a 1.

1994, Grêmio empatou sem gols com o Ceará fora de casa e venceu o jogo de volta por 1 a 0, ficando com o título.

1996, Cruzeiro empatou em casa em 1 a 1 com o Palmeiras e foi campeão vencendo fora por 2 a 1.

1997, Grêmio ficou no 0 a 0 com o Flamengo no primeiro jogo e fora de casa empatou por 2 a 2, garantindo mais um troféu.

2000, Cruzeiro empatou sem gols com o São Paulo no Morumbi e, no jogo de volta, fez 2 a 1 para ganhar mais uma vez a Copa do Brasil.

2001, Grêmio empatou o primeiro jogo em 2 a 2 com o Corinthians mas, fora de casa, venceu por 3 a 1 e levantou outro troféu.

2003, Flamengo e Cruzeiro empataram em 1 a 1 a primeira partida, mas na volta a Raposa fez 3 a 1 e ficou com o título.

2004, Santo André empatou com o Flamengo em casa em 2 a 2, mas venceu fora por 2 a 0 e levantou a taça.

2007, Fluminense ficou no 1 a 1 com o Figueirense no primeiro jogo, vencendo fora de casa por 1 a 0 para conquistar o título.

2013, Flamengo empatou em 1 a 1 com o Athletico, na Vila Capanema, e fez 2 a 0 no Maracanã para ganhar o troféu.

2017, Cruzeiro conquistou o título nos pênaltis, depois de empatar com o Flamengo por 1 a 1 fora e 0 a 0 em casa.

MAS VALE O ALERTA: A REGRA MUDOU!

É bom lembrar, porém, que quase todos os títulos mencionados acima foram disputados de acordo com a regra antiga, que previa o “gol qualificado” (peso maior para gols marcados fora de casa). Muitos títulos obtidos com placares cuja somatória resultaria em empate atualmente acarretariam em disputa de pênaltis, já que em 2015 a CBF aboliu o critério do “gol qualificado” nas decisões e, desde 2018, em todas as fases da competição.

Isso quer dizer que, em Porto Alegre, qualquer vitória do Internacional por um gol de diferença sobre o Athletico levará a decisão do título para as penalidades máximas. Por outro lado, qualquer empate ou vitória rubro-negra garante a taça inédita para o Furacão.

Agora é fazer as contas e lutar com garra e com raça por mais essa taça!



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Brasileirão 2019

Após o título do Furacão pela Copa do Brasil, o estado de êxtase que cada athleticano vive é algo surreal. É um momento mágico, fruto…