15 set 2019 - 11h32

Confusão no acesso irrita torcida nesse domingo

O contexto da partida contra o Avai, nesse domingo (15), permitia prever baixo público: já conhecido alto preço do ingresso na Arena, horário das 11h (aos que odeiam) uso de time reserva, e foco, do clube e da torcida, na finalíssima da Copa do Brasil na próxima quarta (18).

Mesmo assim, houve elementos que amenizariam tudo isso: o próprio horário (aos que amam), empolgação em apoiar o time para a decisão da Copa do Brasil, confronto com o lanterna do Brasileirão, e até mesmo promoções do clube, com trocas de ingressos por apostas na Timemania, isenção de entrada para crianças até 12 anos, e até mesmo um sorteio de um carro zero km, promovido pela CBF.

Em resumo, seria possível dizer que nada irritaria o torcedor presente na Arena da Baixada para essa partida, nem mesmo o resultado do jogo, considerando os aplausos ao final do primeiro tempo, mesmo diante de vitória até então parcial do time catarinense.

Mesmo assim, a organização da Arena da Baixada, novamente, deixou a desejar. Sob a justificativa de “fluxo pequeno”, o clube não abriu o portão I, no acesso da Rua Cel. Dulcídio, que é, por exemplo, o único acesso da torcida ao setor Getúlio Vargas superior. O resultado foi um tumulto na entrada dos torcedores que não chegaram com maior antecedência.

Havendo apenas um acesso, era necessário controlar a entrada de torcedores, pausando as revistas até que o portão J ficasse menos cheio. Com isso, as filas antes das revistas se tornavam maiores a cada minuto que se aproximava do início da partida, causando irritação geral.

Percebendo o equívoco, o clube, às 11h10, resolver abrir o portão I, possibilitando melhor fluxo dos torcedores.

Em um bonito domingo de sol, mais uma vez o staff da Arena conseguiu ser destaque negativo, mesmo num dia em que não parecia difícil agradar o torcedor disposto a comparecer na casa atleticana.



Últimas Notícias

Opinião

Adeus ano “velho”!

  Lembro-me como se fosse hoje dos sentimentos experimentados no último Réveillon. Onde momentos antes de iniciar a contagem para receber 2019, me peguei agradecendo…

Opinião

De que são feitos os ídolos?

Quando Marco Ruben vestiu a camisa atleticana pela primeira vez, já era um ídolo rubro-negro. Simples assim. E não se trata da famosa gringolatria. Alguns…