17 set 2019 - 19h14

2020 com muita paz

O Athletico está prestes a conseguir título importantíssimo, colocar na sua conta mais R$52 milhões e garantir vaga na Libertadores do ano que vem.

É momento da mais completa união de todos os rubro-negros; de crédito ilimitado ao treinador; de fé infinita no esforço dos jogadores; de crença absoluta na capacidade de gerenciamento da diretoria. Fora desse círculo virtuoso não há salvação. Vamos, fisicamente e espiritualmente, lotar o Beira-Rio.

Ser torcedor exige coragem. Coragem em perceber que se torce “na boa ou na ruim”. Afinal, cicatrizes indeléveis fazem parte de qualquer guerra – 2004, 2005, 2013… E nada como um dia após o outro. Uma hora o vento muda de direção e muitas vezes se transforma em Furacão.

O time que neste ano já enfrentou o Monumental de Nunes, a Bombonera e o Maracanã, nada tem a temer. E agora, a última e maior disputa do ano – e uma das maiores da nossa história – chegou. E foi do jeito que já se alertava que seria: de modo hercúleo, que marcou pra sempre esta trajetória.

Mais um capítulo antológico está prestes a ser escrito. Esperamos, ansiosos, pelo momento apoteótico.

Athletico

O Furacão tenta escrever um final diferente das partidas contra o River Plate, pela Recopa, para não repetir os erros e conquistar a Copa do Brasil. Na ocasião, o rubro-negro venceu por 1 a 0 na ida, mas sofreu o revés na Argentina.

O Athletico buscará impor seu estilo de jogo e a escalação deve ser a mesma do jogo de ida, com: Santos; Khellven, Bambu, Léo Pereira e Márcio Azevedo; Wellington, Bruno Guimarães e Cittadini; Nikão, Rony e Marco Ruben.

Internacional

A missão colorada implica em vitória por no mínimo dois gols de diferença para ficar com o título ou por um gol para levar a decisão para os pênaltis. O Furacão tem a vantagem do empate.

A provável escalação do time gaúcho conta com Lomba; Bruno, Moledo, Cuesta e Uendel; Lindoso, Edenílson, Patrick, D’Alessandro e Nico López; Guerrero.

O mistério fica por conta da presença ou não de D’Alessandro – o argentino sentiu desconforto na coxa durante treinamento de domingo. Wellington Silva e Rafael Sobis são opções no caso do camisa 10 ser vetado.

A decisão

A finalíssima está marcada para quarta-feira, 21h30, em Porto Alegre, no estádio Beira-Rio. A arbitragem ficará por conta do goiano Wilton Pereira Sampaio.

O campeão, além da taça e do prêmio milionário, garante participação na fase de grupos da Libertadores do próximo ano e na Supercopa – torneio novidade no calendário brasileiro para 2020 que vai reunir, em Janeiro, os campeões do Brasileirão e da Copa do Brasil deste ano.

A história se repetirá com as naturais emoções, idas e vindas, sustos e gols que devem levar o Furacão a mais uma taça. Este ano, o clube já passou por River, Boca, Flamengo e Grêmio. É da natureza rubro-negra tormentosa tornar anêmicos espíritos fortes.

Quarta-feira, 18 de Setembro, 21:30, o Tiago coloca o time pra correr e a gente vai atrás. No grito, no amor e na fé. Com ardor de soldado novo. Com o manto agarrado à pele como farda (jamais fardo) que se veste pela vida toda.

Porque eu, você, eles – nossos guerreiros -, todos nós, merecemos esse momento. E que todo torcedor atleticano, ao final, possa olhar pra frente e desejar apenas uma coisa: um 2020 com muita paz.



Últimas Notícias

Notícias

De novo a dupla Fla x Flu

Há jogos que mesmo não sendo decisivos acabam sendo marcantes. Lógico que uma final, uma partida que valha vaga para uma fase aguda de uma…

Notícias

Adeus, professor Vadão

Hoje (25) à tarde faleceu Oswaldo Alvarez, o Vadão, que estava internado tratando um câncer no fígado. A notícia vem logo após um domingo nostálgico…

Memória

2002 COM MUITA PAZ

Na tarde do dia 23 de Dezembro de 2001, o Furacão conquistava o seu primeiro título nacional! A partida final, em São Caetano do Sul,…