25 set 2019 - 9h00

Qual o “onze” ideal para a reta final da temporada? Torcedores e jornalistas opinam

Desde quando o Athletico se sagrou campeão da Copa Sul-Americana em 2018, carimbando a participação na Libertadores, Recopa e na Levain Cup/Sul-Americana de 2019, já se sabia que este ano teria um calendário apertado para o Rubro-Negro.

Priorizando as competições de mata-mata, o treinador Tiago Nunes teve de escalar time misto ou reserva em 7 rodadas do Campeonato Brasileiro.

Desfalques

Mas várias peças do elenco não estiveram plenamente à disposição do treinador atleticano ao longo da temporada. Thiago Heleno e Camacho foram suspensos por doping em abril. Adriano e Everton Felipe, contratados na janela de meio de temporada, não puderam atuar nas competições de mata-mata por terem sido contratados fora do período de inscrições tanto para a Libertadores quanto para a Copa do Brasil.

Abner Vinícius (contratado da Ponte Preta) e Pedro Henrique (emprestado pelo Corinthians em junho) foram inscritos pelo Furacão na Libertadores para os confrontos contra o Boca Juniors pelas oitavas de final, mas não puderam atuar pela Copa do Brasil por já terem defendido outras equipes que a disputaram.

Somente a partir da primeira rodada do returno, disputada no último domingo contra o Vasco da Gama, é que Tiago Nunes passou a ter apenas o Campeonato Brasileiro como preocupação. E nas próximas semanas o treinador já terá a sua disposição Thiago Heleno e Camacho, retornando da suspensão por doping.

Com isso, a Furacao.com levantou a seguinte questão: qual seria o time titular ideal para o returno do Campeonato Brasileiro? Jornalistas e torcedores deram seus palpites e você confere abaixo as opiniões, além do 11 ideal considerando a maioria dos votos.

Gol

No gol, é quase dispensável dizer: Santos, goleiro de seleção, é unanimidade para todos que montam um onze ideal do Furacão.

Defesa

Mas na zaga começam a aparecer as discordâncias. Durante a temporada, com a aposentadoria de Paulo André e a suspensão de Thiago Heleno, a torcida achou que o Athletico passaria por apuros no setor defensivo.

Entretanto, os jovens Léo Pereira, Robson Bambu e Lucas Halter conseguiram desempenhar bem seus papéis. Além deles, Pedro Henrique também se mostrou sólido. O retorno de Thiago Heleno, portanto, representará uma dor de cabeça boa para o treinador atleticano.

No levantamento realizado, a dupla campeão da Sul-Americana apareceu soberana: tanto Thiago Heleno quanto Léo Pereira receberam 14 votos cada. Mas outros três zagueiros também foram citados.

Na opinião do torcedor Gustavo Rolin, Robson Bambu – um dos destaques do Furacão na Copa do Brasil – deve ser um dos titulares. “Acho que no momento está melhor. Aliás, os melhores jogos dele foram os decisivos”, opina. Na visão de Gustavo, a dupla de zaga de Robson seria o General.

O jornalista Tiago Marchezini, do canal Três Pontos no YouTube, concorda com a titularidade de Thiago Heleno, mas acredita que a dupla do General deve ser com o jovem zagueiro Lucas Halter. “Thiago Heleno (deve ser titular) por todo simbolismo que ronda sua volta, a idolatria e quanto o Halter pode aprender com ele”, afirma.

Quem também não elege Léo Pereira como parceiro ideal de Thiago Heleno é a jornalista Monique Silva, do GloboEsporte.com. “Thiago Heleno não pode ser banco e retoma naturalmente o lugar na zaga. Agora é a famosa dor de cabeça boa para Tiago Nunes. Ainda fico com Pedro Henrique como dupla do General. Zagueiro seguro que parece estar há muito tempo no Athletico”, explica.

Laterais

Tal qual a zaga, as laterais foram motivo de preocupação para a torcida atleticana ao longo do ano. Com Jonathan e Madson revezando a titularidade na direita (ambos com muitas atuações contestadas) e a saída de Renan Lodi (negociado com o Atlético de Madrid) na esquerda, o time não conseguiu manter o ímpeto de seu jogo pelos lados, que foi a marca característica da equipe em 2018.

Mas a promoção do jovem Khellven ao time titular na reta final da Copa do Brasil e as contratações de Abner Vinícius e Adriano deram novos ares ao time e ampliaram as possibilidades para o treinador Tiago Nunes.

Mesmo tendo jogado pouco, Khellven venceu a disputa na direita com folga – recebeu 15 votos.

Khellven foi bem na reta final da Copa do Brasil [foto: AGÊNCIA F8/Vinicius do Prado]

Para Fernando Freire, jornalista do GloboEsporte.com, a titularidade de Khellven se justifica como uma maturação do atleta para a temporada 2020.

William Romero, responsável pelo único voto em Jonathan, explica a preferência pelo camisa 2: “O mais experiente que temos. Apesar de lento, é técnico. As falhas seriam menos sentidas do que as de um menino de 18 anos”.

Na esquerda, a disputa também é pequena. Adriano recebeu 16 votos (sendo escalado duas vezes no meio-campo), enquanto que Márcio Azevedo foi citado por apenas duas pessoas.

Silvio Rauth Filho, editor de esportes do Bem Paraná,  está de acordo com estas escolhas. “Com a experiência e a solidez de Thiago Heleno e Adriano, o ambiente fica favorável para consolidar Khellven na direita”, opina.

Já o torcedor Vinícios Daltoé acredita que Madson deveria ser o titular no lado direito, com mais liberdade, e Adriano na esquerda: “Viraríamos o lado agudo do time. Adriano mais garantido atrás”.

Meio-campo

No meio-campo, a única peça intocável é o craque Bruno Guimarães, obviamente. Não há competição para um dos craques do futebol brasileiro.

Para a posição de volante, a disputa é mais apertada. Wellington, capitão da conquista da Copa do Brasil, recebeu 14 votos. “Camacho é mais técnico, mas Wellington merece continuar como titular pela liderança, pela entrega e pela qualidade na marcação”, explica Fernando Freire.

Já para o torcedor Silvio Correia Dias, Camacho voltaria a ser dono da posição para mostrar que merece ser contratado em definitivo pelo Athletico para 2020. “Tem mais qualidade na saída de bola e estava bem antes da suspensão. E o Wellington não precisa ‘provar nada’ para continuar ano que vem”, afirma.

Camacho, porém, recebeu apenas duas citações no levantamento realizado. Chama a atenção também a ausência de votos para o veterano Lucho González, titular em vários jogos do ano.

Bruno Guimarães, uma das unanimidades [foto: FURACAO.COM/Joka Madruga]

Para fazer dupla com Bruno Guimarães na “segunda linha”, também surgem discordâncias. Silvio Rauth Filho acredita que Thonny Anderson deve receber oportunidades. “É mais habilidoso, criativo e finalizador que Léo Cittadini. Merece essa vaga. Cittadini foi taticamente importante em alguns momentos de 2019 e ganhou aquele gol histórico (na final da Copa do Brasil) como prêmio, mas tem sido frágil fisicamente e taticamente”, opina o jornalista, que foi o único a votar em Thonny.

Já para Leandro Saboia, colaborador da Furacao.com, o experiente Adriano deve ser testado na posição. “Adriano no meio porque tem poucos jogadores do quilate dele no futebol brasileiro”, justifica.

Já Silvio Correia Dias acredita que Léo Cittadini, um dos destaques do time na reta final da Copa do Brasil e que recebeu 12 votos, é quem deve manter a titularidade: “Pela característica de conseguir fazer uma boa marcação alta e ajudar o Bruno Guimarães tanto na marcação quanto na criação. Ele não é um meia clássico, mas do elenco é o que mais completa com o Bruno”.

Ataque

O trio ofensivo é quase uma unanimidade entre os entrevistados. Rony e Marco Ruben compõem o onze ideal de todos os times escalados. Nikão só não foi citado por uma pessoa: o jornalista Tiago Marchezini.

Ele daria uma chance ao jovem Vitinho e explica sua opinião pensando na preparação da equipe para 2020. “Acredito na afirmação de Khellven, Halter, Erick e Vitinho como peças importantes do elenco para a próxima temporada e para isso eles precisam de sequência”, afirma.

Já Marcelo Cirino, autor de uma jogada antológica na final da Copa do Brasil, foi citado apenas por uma torcedora, MIlene Szaikowski: “Eu acredito que ele retomou a confiança na final. A tabelinha dele com o Rony funcionou muito durante o jogo”.

Gustavo Rolin justifica a ausência do camisa 10 do Furacão em sua escolha: “Acho uma peça importantíssima no elenco, mas não seria como titular. Gosto dele como opção de 9, um estilo totalmente diferente do Ruben. Tanto que entrou na final e arrebentou o Inter”.

O onze ideal

Considerando as opiniões dadas por todos os jornalistas e torcedores consultados, o onze ideal para o fim da temporada atleticana seria composto por:

  • Santos (17 votos); Khellven (15 votos), Thiago Heleno (14 votos), Léo Pereira (14 votos) e Adriano (16 votos); Wellington (14 votos), Bruno Guimarães (17 votos) e Léo Cittadini (12 votos); Nikão (16 votos), Rony (17 votos) e Marco Ruben (17 votos).

Outros jogadores que receberam votos são os seguintes:

  • Jonathan (1 voto); Madson (1 voto); Robson Bambu (3 votos); Pedro Henrique (2 votos); Lucas Halter (1 voto); Márcio Azevedo (2 votos); Abner Vinícius (1 voto); Camacho (2 votos); Thonny Anderson (1 voto); Marcelo Cirino (1 voto); Vitinho (1 voto).

 

Abaixo você confere as escalações de cada um dos “técnicos” consultados pela Furacao.com:

Santos; Khellven, Thiago Heleno, Léo Pereira e Adriano; Wellington, Bruno Guimarães e Leo Cittadini; Nikão, Rony e Marco Ruben
Fernando Rudnick, repórter de Esportes da Gazeta do Povo

Santos; Khellven, Thiago Heleno, Léo Pereira e Adriano; Wellington, Bruno Guimarães e Thonny Anderson; Nikão, Rony e Marco Ruben
Silvio Rauth Filho, editor de Esportes do Bem Paraná

Santos; Khellven, Thiago Heleno, Léo Pereira e Adriano; Wellington, Bruno Guimarães e Léo Cittadini; Nikão, Rony e Marco Ruben
Monique Vilela, setorista do Athletico na Rádio Banda B

Santos; Jonathan, Thiago Heleno, Léo Pereira e Márcio Azevedo; Wellington, Bruno Guimarães e Léo Cittadini; Nikão, Rony e Marco Ruben.
William Romero, torcedor

Santos; Khellven, Thiago Heleno, Léo Pereira e Adriano; Wellington, Bruno Guimarães e Léo Cittadini; Nikão, Rony e Marco Ruben
Nadja Mauad, repórter de esportes da RPC

Santos; Khellven, Léo Pereira, Robson Bambu e Adriano; Wellington, Bruno Guimarães e Léo Cittadini; Nikão, Rony e Marco Ruben
Fernando Freire, jornalista do GloboEsporte.com

Santos; Khellven, Pedro Henrique, Léo Pereira e Abner Vinícius; Wellington, Bruno Guimarães e Adriano; Nikão, Rony e Marco Ruben
Leandro Sabóia, colaborador da Furacao.com

Santos; Khellven, Thiago Heleno, Léo Pereira e Márcio Azevedo; Wellington, Adriano e Bruno Guimarães; Nikão, Rony e Marco Ruben
Eduardo Souza, colaborador da Furacao.com

Santos; Khellven, Thiago Heleno, Léo Pereira e Adriano; Camacho, Bruno Guimarães e Léo Cittadini; Nikão, Rony e Marco Ruben
Rodrigo Linhares, colaborador da Furacao.com

Santos; Khellven, Thiago Heleno, Lucas Halter e Adriano; Erick, Bruno Guimarães e Léo Cittadini; Rony, Vitinho e Marco Ruben
Tiago Marchezini, jornalista do canal Três Pontos no YouTube

Santos; Khellven, Robson Bambu, Léo Pereira e Adriano; Wellington, Bruno Guimarães e Léo Cittadini; Nikão, Rony e Marco Ruben
Patricia Bahr, colaboradora da Furacao.com

Santos; Khellven, Thiago Heleno, Robson Bambu e Adriano; Wellington, Bruno Guimarães e Léo Cittadini; Nikão, Rony e Marco Ruben
Gustavo Rolin, torcedor 

Santos; Khellven, Thiago Heleno, Léo Pereira e Adriano; Camacho, Bruno Guimarães e Léo Citadini; Nikão, Rony e Marco Ruben
Silvio Correia Dias, torcedor

Santos; Madson, Thiago Heleno, Léo Pereira e Adriano; Wellington, Bruno Guimarães e Léo Cittadini; Nikão, Rony e Marco Ruben
Vinícios Daltoé, torcedor

Santos; Khellven, Thiago Heleno, Pedro Henrique e Adriano; Wellington, Bruno Guimarães e Léo Cittadini; Nikão, Rony e Marco Ruben
Monique Silva, jornalista do GloboEsporte.com

Santos; Khellven, Thiago Heleno, Léo Pereira e Adriano; Wellington, Bruno Guimarães e Nikão; Marcelo, Rony e Marco Ruben
Milene Szaikowski, torcedora

Santos; Khellven, Thiago Heleno, Léo Pereira e Adriano; Wellington, Bruno Guimarães e Léo Cittadini; Nikão, Rony e Marco Ruben
Wellington Klemtz, torcedor



Últimas Notícias

Opinião

Adeus ano “velho”!

  Lembro-me como se fosse hoje dos sentimentos experimentados no último Réveillon. Onde momentos antes de iniciar a contagem para receber 2019, me peguei agradecendo…

Opinião

De que são feitos os ídolos?

Quando Marco Ruben vestiu a camisa atleticana pela primeira vez, já era um ídolo rubro-negro. Simples assim. E não se trata da famosa gringolatria. Alguns…