19 fev 2020 - 0h00

Adversário na Libertadores, Colo-Colo vive momento de tensão extracampo

Daqui pouco menos de um mês, no dia 11 de março, o Athletico vai ao Chile para a partida contra o Colo-Colo, na segunda rodada da fase de grupos da Libertadores 2020. Mas não é o momento dentro das quatro linhas que mais chama a atenção no adversário atleticano: o clima de tensão nas arquibancadas, infelizmente, vira o destaque negativo no noticiário do clube e de todo o país.

O último capítulo dessa triste realidade ocorreu no fim de semana, com o clássico entre Colo-Colo e Universidad Católica, no estádio Monumental (o mesmo que vai sediar a partida contra o Furacão na Libertadores), sendo interrompido aos 25 minutos do segundo tempo, devido ao tumulto nas arquibancadas, incluindo o lançamento de um rojão em direção ao campo, que explodiu muito perto do atacante Nicolás Blandi, do Colo-Colo. Vale lembrar que no Chile, os clássicos são disputados com torcida única e, portanto todo incidente foi protagonizado pelos torcedores do Cacique, como é conhecido o Club Social y Deportivo Colo-Colo. O Superclássico, como é chamado o encontro entre os clubes, marcava 2 a 0 para a Católica quando a arbitragem interrompeu a partida.

“Estou magoado com o que aconteceu, me desculpe, mas é uma situação que se espera não viver, principalmente em um estádio. Esperamos que as autoridades, os clubes e suas organizações partidárias garantam a segurança dos jogadores ”, comentou o técnico do Colo-Colo, Mario Salas. O vice-presidente do clube, Harold Mayne-Nicholls, também lamentou os incidentes. “Não conseguimos entender por que eles [torcedores] lançaram rojões contra nossos próprios jogadores, você não pode acreditar”, disse.

Protestos, morte de torcedor e ameaça da Conmebol

O episódio não foi isolado. Em janeiro, um torcedor do Colo-Colo morreu na saída de uma partida, após ser atropelado por um caminhão da polícia. A partir daí, intensificaram os protestos de várias torcidas organizadas de clubes chilenos, pedindo a suspensão do futebol no país – atos sem sucesso até o momento. Em algumas manifestações, os integrantes chegaram a usar faixas com os dizeres “Ruas com sangue, campos sem futebol”.

No início do mês, a Conmebol enviou uma carta ao Universidad de Chile, nas vésperas da partida contra o Internacional pela pré-Libertadores, ameaçando o clube em caso de confronto no interior ou entorno do Estádio Monumental, chegando a informar que tomaria “duras medidas” no caso das autoridades locais não garantirem a segurança da partida. O jogo em Santiago terminou 0 a 0 e, em Porto Alegre, o Inter eliminou os chilenos ao vencer por 2 a 0. O Chile ainda tem três representantes na competição: Colo-Colo e Universidad Católica, que entraram na fase de grupos por serem respectivamente vice-campeão e campeão do Campeonato Chileno, e o Palestino, que disputa a terceira fase (pré-Libertadores) e enfrenta o Guaraní-PAR.

O cenário de tensão social tomou conta do Chile desde outubro do ano passado, com diversas manifestações contra o governo do presidente Sebastián Piñera, contabilizando cerca de 30 mortos e mais de 3 mil feridos – recentemente, esperava-se uma trégua nos protestos devido ao acordo político para a realização de plebiscito sobre a mudança Constituição, herdada da ditadura de Augusto Pinochet.

No campo esportivo, a crise também teve reflexos. Em dezembro de 2019, o Campeonato Chileno encerrou seis rodadas antes do fim devido aos protestos e a Copa Chile foi interrompida e finalizada apenas em janeiro deste ano – com o Colo-Colo sagrando-se campeão e a Universidad de Chile, vice. E a final da Libertadores do ano passado, disputada em jogo único, foi transferida pela Conmebol cerca de 20 dias antes da decisão, passando de Santiago para o Estádio Monumental de Lima, no Peru.

O Athletico estreia na Libertadores daqui duas semanas, no dia 03 de março, contra o Peñarol, na Arena da Baixada, e já na segunda rodada enfrenta o Colo-Colo, em Santiago.

Assuntos: | |


Últimas Notícias

Notícias

De novo a dupla Fla x Flu

Há jogos que mesmo não sendo decisivos acabam sendo marcantes. Lógico que uma final, uma partida que valha vaga para uma fase aguda de uma…

Notícias

Adeus, professor Vadão

Hoje (25) à tarde faleceu Oswaldo Alvarez, o Vadão, que estava internado tratando um câncer no fígado. A notícia vem logo após um domingo nostálgico…

Memória

2002 COM MUITA PAZ

Na tarde do dia 23 de Dezembro de 2001, o Furacão conquistava o seu primeiro título nacional! A partida final, em São Caetano do Sul,…