15 mar 2020 - 18h30

Derrota no clássico

O Athletico perdeu por 4 a 0 para o Coritiba nesta tarde de domingo no Couto Pereira. O duelo foi válido pela última rodada da primeira fase do campeonato paranaense.

Com a derrota, o furacão caiu para a terceira posição e irá enfrentar o Londrina na próxima fase.

Primeiro tempo

O início da partida parecia promissor para o rubro-negro, que teve a primeira grande oportunidade da partida. Logo aos cinco minutos Muralha fez duas grandes defesas e evitou o gol atleticano. Um minuto depois, mais uma chegada do Athletico, Reinaldo bateu pela esquerda e o goleiro rival defendeu novamente.

A superioridade rubro-negra durou pouco. Aos 10 minutos o Coritiba abriu o placar com Igor Jesus após erro na saída de bola do furacão.

A partir do primeiro gol, a partida parecia mais um déjà vu de quando Fernando Diniz era o comandante rubro-negro. Inoperância ofensiva e erros na saída de bola definem como foram os 90 minutos do Athletico no Couto Pereira.

Aos 19, o segundo gol do Coritiba. Sabino fez de cabeça, após um escanteio gerado por mais uma falha na saída de bola.

Antes do intervalo, o Coritiba fez o terceiro, com Matheus Sales, aos 45 minutos.

Segundo tempo

Na volta para a segunda etapa o técnico Eduardo Barros promoveu duas alterações. Tirou Denner, que em 11 rodadas não conseguiu mostrar seu futebol, e Abner Vinícius, que também ainda não fez jus ao investimento de R$10 milhões de reais.

As entradas de Vinicius Mingotti e Jaderson, que foi colocado improvisado novamente na lateral, não surtiram efeito algum. O Athletico continuou inoperante e sendo dominado pelo Coritiba o restante da partida.

Aos 18 minutos do segundo tempo o Coritiba chegou ao quarto gol. A lei do ex não falhou e o zagueiro Rhodolfo anotou o dele.

O 4 a 0 ficou barato.

O fato de estar sendo utilizado o time de aspirantes não é justificativa para um vexame destes. Além dos erros ridículos de saída de bola e da dificuldade absurda de fazer a transição ofensiva os jogadores atleticanos pareciam estar em ritmo de treino.

Eduardo Barros aparenta ser tão teimoso quanto era Fernando Diniz. Insiste em atletas que, apesar das diversas oportunidades, não rendem e improvisa jogadores em posições que eles já demonstraram não se adaptar.

Aspirantes ou não, os jogadores continuam representando o Athletico. Honrem a nossa camisa.



Últimas Notícias

Notícias

Adeus, professor Vadão

Hoje (25) à tarde faleceu Oswaldo Alvarez, o Vadão, que estava internado tratando um câncer no fígado. A notícia vem logo após um domingo nostálgico…

Memória

2002 COM MUITA PAZ

Na tarde do dia 23 de Dezembro de 2001, o Furacão conquistava o seu primeiro título nacional! A partida final, em São Caetano do Sul,…