1 set 2020 - 10h08

Urge um Furacão de mudanças

O comando técnico do Furacão conta, novamente, com o interino Eduardo Barros.

A diretoria rubro-negra optou pelo – até pouco tempo atrás – treinador da equipe de aspirantes (e que disputou parte do campeonato paranaense) para dirigir a equipe. Seu retorno ao comando técnico acontece amanhã (02/08, quarta-feira) contra o Bragantino, pela sétima rodada do Brasileirão.

Invicto na reta final do campeonato nacional de 2019, Eduardo assume o time enquanto a diretoria busca um comandante após demissão de Dorival Júnior.

O trabalho do interino será avaliado jogo após jogo e a direção estuda a possibilidade de efetivação de Barros como treinador da equipe principal.

Ao contrário do cenário tranquilo que encontrou ano passado após a saída de Tiago Nunes – do ambiente sem pressões e permeado de vitórias e pela conquista da Copa do Brasil -, o jovem treinador terá um grande desafio. Dorival Júnior foi desligado do Clube após quatro derrotas consecutivas do time para Santos, Palmeiras, Fluminense e São Paulo e um clima turbulento se instaurou internamente no Clube.

2019

Em Novembro, Barros substituiu Tiago Nunes – que aceitou o desafio de comandar o Corinthians.

Na época, Eduardo era o técnico mais jovem do Brasileirão, então com 34 anos.

Foram cinco vitórias e três empates à frente da equipe principal.

2020

A equipe de aspirantes do Athletico na primeira fase do Campeonato Paranaense ficou sob responsabilidade de Eduardo.

Pela necessidade de dar “rodagem” ao elenco e acelerar o processo de retorno às atividades após a parada forçada das competições – ocasionada pela pandemia do coronavírus -, o time principal retornou aos gramados a partir das quartas de final da competição regional, sob o comando do então técnico Dorival Júnior.

Retrospecto

Foram 16 jogos – disputados ao todo – sob o comando do Athletico. Eduardo Barros soma dez vitórias, três empates e três derrotas. Um aproveitamento de 68%.

No último jogo em que esteve à beira do campo, o Athletico foi derrotado pelo Coritiba.

Novos desafios

A ideia do “Jogo CAP” parece ter sido perdida. Ou, pelo menos, ficou no meio do caminho.

Não se vê mais aquele time que “provoca as linhas adversárias”. Tampouco a dinâmica de jogo que evita os “passes laterais” – tão fortemente combatidos quando desprovidos de finalidade. Muito menos consegue-se observar a ideia de um equipe agressiva, “vertical”, que busca o gol e finaliza.

O Athletico deste ano apresentou aos seus espectadores e torcedores um amontoado de jogadores em campo, com pontuais momentos de eficiência e que é dependente de peças individuais e de seus lances de rara felicidade.

Eduardo Barros tem, portanto, a nada fácil missão de reencontrar o estilo de jogo que permitiu as recentes glórias rubro-negras.
Para isso, ele conta com alguns jogadores remanescentes da equipe campeã da Copa do Brasil. Contudo
, ocorreram importantes saídas de atletas que foram fundamentais nas conquistas recentes e muitos dos novos contratados ainda não apresentaram o resultado que deles se esperava.

Mais do que uma alteração no comando técnico ou no grupo de jogadores (com a possibilidade de negociação de alguns atletas), é necessário uma nova forma de se pensar o Futebol rubro-negro. Urge um furacão de mudanças.



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…