10 set 2020 - 23h13

Melhor ou pior – como o Athletico volta à Libertadores? Confira a opinião do time da Furacao.com

Depois de 188 dias, o Athletico volta a campo na próxima terça-feira (15), pela Libertadores da América, paralisada desde o dia 12 de março, devido à pandemia do coronavírus, que ainda registra números elevados em diversos países da América do Sul. O primeiro duelo da retomada será diante do Jorge Wilstermann, da Bolívia, no estádio Félix Capriles, em Cochabamba, às 19h15.

Em relação ao time que perdeu para o Colo-Colo, no Estádio Monumental de Santiago, em 11 de março, quatro baixas: a começar pelo comando técnico, com Dorival Júnior deixando o cargo há 2 semanas. Quem também atuou no Chile e já não compõe o elenco atleticano são o lateral Adriano, o zagueiro Robson Bambu e o meia Marquinhos Gabriel, além de Léo e Pedrão, também inscritos inicialmente na competição.

Os novos inscritos até o momento são: o goleiro Anderson; os zagueiros Felipe Aguilar e Pedro Henrique; os volantes Jaime Alvarado e Richard; os meias Bruno Leite e Ravanelli; e os atacantes Fabinho, Geuvânio e Walter.

Com tantas alterações, a grande questão que fica é: estamos enfraquecidos ou fortalecidos depois desses mais de seis meses de paralisação da Libertadores?

Primeiro, o time ganhou um reforço óbvio: o goleiro Santos, que não atuou nos dois primeiros jogos devido a uma lesão e cirurgia no joelho direito, era desfalque certo em pelo menos três partidas e, agora, jogará. Situação ainda melhor se lembrarmos que o reserva imediato, Jandrei, foi expulso na partida contra o Colo-Colo logo no apito final, num lance bem esquisito: ao final da partida, deu um bico na bola e quase acertou o árbitro colombiano Nicolas Gallo, que lhe rendeu o cartão vermelho.

Mas, em termos de emocional e motivação, a atual situação rubro-negra é bem diferente. Depois de dois anos acumulando conquistas expressivas, o torcedor atleticano vive hoje outra realidade: há sete jogos sem vencer no Brasileiro, o time flerta com a zona do rebaixamento com péssimos 29.6% de aproveitamento (2 vitórias, 2 empates e 5 derrotas).

Confira a opinião da equipe da Furacao.com sobre como o Athletico volta à Libertadores:

“Melhoramos o elenco, já que eliminamos Marquinhos Gabriel e vieram Alvarado, Geuvânio, Ravanelli e Richard (reforço?). Porém, considerando que o desempenho regrediu, a falta de um atacante de área experiente continua sendo um problema enorme, que não foi atenuada nem mesmo pelas contratações para o meio campo, algumas delas sequer preparadas fisicamente para competir (como no caso do Ravanelli). Assim, o que se tem é um elenco reforçado (ao menos em quantidade), mas sem treino, sem comando (técnico e hierárquico) e sem confiança.” – Gabriel Carvalho

“Os últimos dois jogos foram os melhores do Athletico coletivamente no ano, junto com a partida contra o Peñarol. Os reforços contratados durante a pandemia ainda precisam de tempo para serem testados, mas alguns, como os casos do Geuvânio e do Pedro Henrique, já deram mostras de que podem ajudar a equipe. O que piorou foi a confiança, e isso só vai consertar quando conseguir uma vitória e aliviar um pouco a pressão.” – Wellington Alves

“Pioramos de forma geral na preparação física. Nosso time não engrenou ainda, desde a volta, e os jogadores morrem no segundo tempo.”  Renato Marchiori

“Não temos profundidade no elenco, visto o problema crônico de centroavante. Bissoli e Mingotti são muito crus, e Walter ainda é aposta. Na zaga, ganhamos corpo com Pedro Henrique e Aguilar. No meio, perdemos Marquinhos Gabriel que vinha com desempenho muito abaixo. E ganhamos Alvarado, Richard e Ravanelli. Temos mais opções. Na ponta, se por um lado temos atuações desastrosas do Carlos Eduardo, ganhamos Geuvânio e Fabinho. No geral melhorou, mas não é time pra passar das oitavas – o que vier depois, será pura sorte.”  – Marcelo Ostrowski

“Antes da parada, a gente tinha jogado muito pouco. E, para variar, fomos buscar reforços já com bonde andando. Vários jogadores chegaram muito fora de forma, então é até difícil opinar sobre Richard e Geuvânio, por exemplo. Alguns como Carlos Eduardo seguem devendo (mas podem acrescentar algo) e outros como Mortinho Gabriel (o cara da camisa 10) NUNCA deveriam ter vindo e já foram embora. Fato é que conforme a carroça anda é que a melancia vai se ajeitar. Impressionante termos levado com a barriga um ano tão importante quanto esse. Estamos pagando preço da bagunça que virou ou voltou a ser o futebol atleticano.” – Juarez Villela Filho

Confira a relação dos inscritos do Athletico para a Libertadores:

1) Santos
2) Jonathan
3) Lucho González
4) Thiago Heleno
5) Wellington
6) Márcio Azevedo
7) Carlos Eduardo
8) Fernando Canesin
9) Guilherme Bissoli
11) Nikão
12) Jandrei
13) Khellven
15) Lucas Halter
16) Abner
17) Christian
18) Léo Cittadini
19) Jajá
20) Luan Patrick
24) Bento
25) Léo Gomes
26) Erick
27) José Ivaldo
28) Vitinho
29) Pedrinho
30) Vinicius Mingotti
31) Anderson
32) Ravanelli
33) Felipe Aguilar
34) Pedro Henrique
35) Richard
36) Jaime Alvarado
37) Fabinho
38) Geuvânio
39) Walter
40) Bruno Leite

Assuntos:


Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…