14 set 2020 - 18h15

A branca que traz paz

O segundo uniforme dos clubes costuma trazer cores que sejam complementares ou até mesmo secundárias na vestimenta do time. O uniforme número 2 em grande parte das vezes tem predominância do branco, mesmo que esta não seja uma das cores oficiais do clube. No caso do Athletico essa é uma verdade bastante concreta: na imensa maioria das vezes, o segundo uniforme foi branco.

No lançamento dos uniformes no final de 2018, estava lá a camisa branca que entraria para a história.

A estreia e a despedida

O Athletico já jogou com a nova camisa branca no começo da temporada de 2019. Empatou em zero fora de casa com o FC Cascavel e já na rodada seguinte o time de aspirantes usou-a novamente, vencendo o Rio Branco por 0 a 2, com o recém contratado volante Erick tendo marcado o primeiro gol com a nova vestimenta e com Matheus Anjos complementando o placar.

Já a saideira da camisa branca ocorreu em São Januário, local onde o histórico do Athletico com qualquer uniforme é péssimo. Uma partida fraca do time e derrota por 1 a 0 diante do Vasco da Gama pelo Brasileirão 2020.

Números

Por ser a camisa visitante, o Athletico somente jogou de branco fora dos seus domínios, o que impacta substancialmente nos números da utilização do segundo uniforme. Entre Campeonato Paranaense, Copa do Brasil, Libertadores da América, Campeonato Brasileiro e Supercopa do Brasil (na Copa Suruga e Recopa Sul Americana a equipe jogou de rubro-negro), o uniforme branco foi utilizado 17 vezes, com saldo de 7 derrotas, 5 empates e 5 vitórias.

Uma delas, completamente inesquecível.

A Copa do Brasil é nossa

Na noite de 18 de setembro de 2019, o rubro-negro pisou no gramado do Gigante da Beira Rio cercado de uma verdadeira legião de colorados confiantes na reversão do placar para o Internacional. Como mandante, o time gaúcho entrava com seu tradicional uniforme vermelho, cabendo ao Athletico utilizar sua camisa branca, a número dois.

Após pressão inicial do time da casa, o Furacão foi colocando os nervos e as coisas no lugar: a Copa do Brasil tinha dono e era o Athletico! Em bela jogada pela esquerda, Rony encontra o artilheiro Marco Ruben que faz grande assistência para o domínio e conclusão precisas de Léo Cittadini que fez os atleticanos presentes no estádio e em todos os cantos do país confiarem ainda mais na conquista.

Camisa branca fez parte de uma das maiores conquistas do clube. [foto: AGÊNCIA F8/Vinicius do Prado]
O Internacional empatou ainda na primeira etapa e tentava pressionar na base do chuveirinho, imposição física e vontade, mas o Athletico era senhor das ações e sacramentou a conquista inédita com um gol que faz parte da história da competição. Mesmo podendo manter o empate para conquistar a Copa do Brasil, o time se soltou e criou as melhores chances de gol a partir dos 30’ da etapa complementar, cabendo ao veloz Rony, após sequencia de dribles desconcertantes de Marcelo Cirino na atônita defesa colorada junto à linha lateral fazer o gol do título, já nos acréscimos e colocando aquela linda camisa branca na história do clube.

A visão do branco que traz e eternamente trará paz no coração do torcedor atleticano.



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…