Furacao.com
Notícias

Brasileiro | sexta-feira, 12 de agosto de 2011, 16h41

Adilson Batista: "Aqui está sempre um atleticano"

Fonte: Gazeta Esportiva

Foto Destaque

Adilson: sócio do Furacão [foto: Julia Abdul-Hak]

Adilson Batista terá pela frente às 18h30 (de Brasília) deste sábado, no Morumbi, seu último clube antes de assumir o São Paulo: o Atlético Paranaense, terceira equipe que deixou em menos de um ano por conta de maus resultados. Mas o treinador, em vez de mostrar tristeza, declara amor ao time que o revelou como zagueiro há 25 anos.

"Aqui está sempre um atleticano, que respeita, gosta e tem consideração pelo clube que me abriu as portas desse mundo maravilhoso do futebol. Sou torcedor, sócio, tenho cadeira lá", contou o comandante. "Mas hoje estou no São Paulo e preciso lutar pela liderança do Campeonato Brasileiro", completou, para evitar problemas.

O técnico, entretanto, não esconde o carinho pelo Furacão. Nascido em Adrianópolis, no interior do Paraná, Adilson virou jogador profissional em 1986 pela equipe da Arena da Baixada e, de lá, chegou até à seleção brasileira. A passagem como técnico, porém, durou dois meses.

Em 14 jogos no comando do Rubro-negro de Curitiba, o treinador venceu quatro, empatou quatro e perdeu seis, deixando o time após ser derrotado em cinco das seis primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro. Mas ele aponta problemas políticos, além dos resultados, como causa de sua saída.

"Recebi o convite no domingo à noite, e na segunda-feira, depois de outra reunião, aceitei mais em função do Valmor Zimermann, que foi meu presidente [quando ele foi revelado como zagueiro] e era diretor de futebol. Na sua saída, quase que sai junto e conversei lá, mas o Atlético-PR estava vivenciando os jogos da Copa do Brasil", lembrou.

A troca na diretoria ocorreu exatamente entre os dois compromissos pelas quartas de final da Copa do Brasil, contra o Vasco, que se classificou no desempate dos gols fora de casa - empatou por 2 a 2 no Paraná e 1 a 1 em São Januário. Depois disso, contudo, Adilson esteve à frente da péssima campanha sem derrota nas seis primeiras rodadas do Brasileiro.

"É futebol. Tentei dar padrão, melhorar o time e não consegui. Não vou ficar reclamando de contratações, disso e daquilo", afirmou o treinador, desconfortável em relembrar os problemas que acarretaram no fim de sua passagem pelo clube que diz ser o do seu coração - embora também admita publicamente carinho pelo Grêmio, equipe em que foi o capitão na conquista da Libertadores de 1995.

Facebook  

Matéria do site Furacao.com:
http://www.furacao.com/materia.php?cod=37058

© Furacao.com. Todos os direitos reservados. Reprodução permitida desde que citada a fonte.

Desde 1996 - Furacao.com - Site 100% não oficial - Agência Active