1970
1980
1990
2000

Anos 70 - Como tudo começou

Para preencher a lacuna deixada pelo Esquadrão da Torcida Atleticana (ETA), que havia encerrado suas atividades no primeiro semestre de 1977, torcedores atleticanos começaram a pensar em como não deixar o Atlético sem um apoio vindo das arquibancadas. Foi aí que alguns jovens como José Carlos Belotto, Marcos Mattos, Cabeça, Mauro Merlin e Nelson Rosário pensaram em fundar uma torcida que trouxesse algo de novo aos estádios paranaenses. Assim surgiu a Torcida Os Fanáticos, que nos anos seguintes se tornaria a maior do sul do Brasil.

Foi com o pouco material que tinham e a enorme paixão pelo Atlético que no dia 24 de outubro de 1977, num jogo contra o hoje extinto Brasília, no Estádio Couto Pereira, a torcida fez a sua estréia. Numa conversa rápida com outros garotos que faziam parte da “Torcida Jovem” (entre eles, Maucir e Luiz), que também estreava nos jogos do Atlético, decidiram que na partida seguinte iriam se unir, aproveitando a parte da faixa onde estava escrito “Torcida”. Com a junção das forças e a soma dos materiais, unindo a faixa vermelha escrito em preto e outra preta escrita em branco, surgia a primeira faixa oficial com o nome “Torcida Os Fanáticos”.

Como nessa época também existia a Torcida Independente Atleticana (TIA), a tática dos membros da Fanáticos era observar cada garoto que entrava no estádio e convidá-lo a entrar para a torcida ou até mesmo abordar quem estivesse passando pela praça do Atlético.

Enquanto o Atlético fazia uma fraca campanha no Campeonato Paranaense, a Torcida Os Fanáticos crescia nas arquibancadas e aos poucos se tornava uma importante voz do torcedor rubro-negro.

1978 – A primeira camisa

Aos poucos, foram se juntando ao pequeno grupo dezenas de atleticanos em prol do Furacão. Contudo, mesmo com o esforço de todos os envolvidos, o começo foi muito difícil. Foi aí que Belotto e Mattos pediram ajuda ao Conselho Deliberativo do Atlético, tamanha era a necessidade da compra de instrumentos. Com o dinheiro arrecadado, confeccionaram 30 bandeiras e ganharam o apoio do então presidente Antônio Sérgio Guimarães Lück, que solicitou aos conselheiros que ajudassem a nova torcida na composição da bateria, doando uma charanga.

Fanáticos foi fundada no final dos anos 70 [foto: TOF/arquivo]

Nesta época, foi lançada a primeira camisa na cor preta com detalhes em vermelho e listras nos ombros, com o nome da torcida escrito nas costas. Aos poucos, mais e mais jovens começaram a integrar a torcida, fazendo com que o número de componentes dobrasse nos três Atletibas da reta final do campeonato daquele ano.

Aliás, campeonato que teve no dia 5 de novembro um acontecimento que permanece vivo na mente de muitos torcedores. O Atlético estava sendo goleado pelo Colorado, em plena Baixada, por 4 a 0. Faltando apenas 16 minutos para acabar a partida, muitos torcedores atleticanos já tinham abandonado o estádio e eis que surge Ziquita. Numa jogada inesperada, aos 30 minutos, fez o que parecia ser o gol de honra para os rubro-negros. Quatro minutos depois, o mesmo Ziquita fez o segundo, pegando um rebote de surpresa. E enquanto a torcida vibrava, ainda um pouco descrente diante dos acontecimentos, Ziquita assinalou o terceiro gol. O estádio quase veio abaixo e alguns torcedores, que haviam deixado o estádio, começaram a retornar, arrombando as portas da Baixada. Os jogadores do Colorado não acreditavam no que viam e tiveram que engolir o empate, aos 43 minutos. Em apenas 14 minutos, Ziquita fez quatro gols e enlouqueceu a nação atleticana. E o quinto gol só não saiu porque a cabeçada de Ziquita encontrou o travessão do goleiro Alexandre. Um empate milagroso que estimulou a equipe para as finais do torneio, mas acabou rendendo apenas o vice-campeonato.

Também vale destacar em 1978 o início da importante e sempre presente colaboração da torcedora Sueli, que ajudava a trazer todo o material da torcida, entre instrumentos e bambus, muitas vezes de táxi para a Baixada e prezava a disciplina e respeito entre os jovens torcedores.

1979 – O início das dificuldades

Enquanto o Atlético amargava um desempenho ruim no campeonato, ficando com a terceira posição, a situação ficou crítica na torcida Os Fanáticos. Em 1979, os jovens Cabeça, Buffara, Priva, Zé Luis, Maucir, Luís, Mário Japonês, Nelson Carneirinho, Américo Vespúcio, Daniel, Sueli, Renato e Maurício fizeram uma reunião de emergência cuja pauta era extinguir a torcida, pois não havia dinheiro para investir.

Porém, a força de vontade dos integrantes manteve viva a torcida. Assim, ficou decidido que o torcedor Renato Sozzi assumiria a presidência, tendo Mário Japonês como vice. Foi o primeiro passo para não deixar os ânimos dos torcedores caírem e reacender a paixão rubro-negra.

O ano também ficou marcado pelas sucessivas conquistas da Fanáticos no concurso “a bandeira mais bonita”, fato que lhe rendia alguma quantia em dinheiro.

 
Últimas Notícias