9 set 2002 - 12h03

Opinião: ‘Remando Contra a Maré

De um programa esportivo com nome “Cartão Verde“, já não se deveria esperar muita coisa. Ainda mais pelo retrospecto intensamente bairrista e preconteituoso em relação às equipes alheias ao Eixo Rio-São Paulo. Mas o torcedor age, sabidamente, por emoção, não por razão. E em um dia em que seu time vai à Vila Belmiro e joga – com 10 jogadores – de igual para igual com o Santos – com 11 -, não dá pra controlar a vontade de assistir a todos programas esportivos. E Como o famigerado Cartão Verde é o primeiro a começar, acaba angariando nossa imerecida audiência.

O que vi e ouvi ontem foi um desafio à paciência. Em síntese, o empate foi creditado à arbitragem, que teria prejudicado intensamente o time paulista. Um dos integrantes – o mais despreparado, por sinal – chegou a afirmar – pasmem! -, com todas as letras, que o árbitro da partida estava mal intencionado, com o claro intuito de beneficiar o Atlético! Com a devida vênia, e apesar do inegável crescimento do Furacão nos últimos anos, acreditar que um time paranaense possa bater o Santos em matéria de “pressão” na arbitragem é, no mínimo, uma enorme burrice. Basta conhecer o mínimo de política esportiva para saber o quão absurda é esta afirmação.

Há pouco que falar da arbitragem. Quem assistiu ao jogo sabe que, no primeiro tempo, o Atlético foi seriamente prejudicado com a marcação de faltas inexistentes e penalizações com cartões amarelos absurdas. Havia dois critérios: o mesmo lance que, para um jogador do Santos, não ensejava nem a marcação de falta, segundos depois, para um atleticano, rendia um cartão amarelo. Com isto, o Furacão teve de atuar com um jogador a menos por quase toda a partida. No segundo tempo, houve, de fato, a marcação de um pênalti duvidoso a favor do time paranaense, mas em um tipo de lance em que cotidianamente os árbitros brasileiros têm assinalado a penalidade máxima.

É simplesmente lamentável que alguns setores da imprensa paulista continuem fazendo o possível para evitar créditos ao Atlético, questionando, sempre que possível, os motivos do êxito rubro-negro. Resta saber quantos títulos teremos de conquistar para que estas pessoas conveçam-se a parar de remar contra a maré.

Ricardo Campelo
colunistas@furacao.com



Últimas Notícias

Notícias

Raio X: Penarol

Retrospecto, Nikão e bola na rede. Essas são as apostas do Furacão para garantir vaga na final da Sulamericana 2021. O Athletico é o único…