14 out 2002 - 20h03

Semana do Atleticanismo

Primeiramente queria deixar claro a louvável iniciativa do site em ajudar o Atlético. Já passamos por dificuldades muito maiores, por que abandonar o Atlético agora?

Lembrei agora, de relance, de um momento completamente inesquecível para qualquer atleticano que se preze. Era 23 de dezembro do ano passado, um dia antes de meu aniversário e dois antes do Natal.

Voltava de São Caetano do Sul, extasiado de emoção, “morto” de cansado, ao lado de muitos amigos antigos e de vários novos amigos atleticanos, mas faltava alguma coisa. Título nacional conquistado, saudade da namorada, vontade de encontrar minha sobrinha atleticana…

Não sabia ao certo o que era, mas faltava.

Na parada para o jantar, com alguns tendo inclusive ficado no interior do ônibus, de tão cansados, aconteceu. Passando os lances da final na enorme TV, o pessoal comendo como loucos famintos, um silêncio absoluto reinou no Restaurante. Todos, estáticos vendo ao lances, a torcida. De repente, o gol!

A vibração da massa, como se fosse ao vivo, a vibração minha e de mais duas mil pessoas em São Caetano, bagunça geral. Aí apareceu a Praça Afonso Botelho, tomada, repleta de fanáticos atleticanos. Dezenas, centenas, milhares de pessoas, camisas, bandeiras. A câmera chegou a tremer no momento do gol. Aconteceu.

Chorei, como há muito tempo não chorava. Ser atleticano é isso. É viver cada momento como se fosse o mais importante da sua vida.

Juarez Villela Filho
Funcionário Público e colunista da Furacao.com

juarez.villela@pop.com.br

Participe da Semana do Atleticanismo. Envie o seu texto para equipe@furacao.com
com seus dados completos. Estamos esperando.



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…